JS/Faial acusa vereadores do PSD de “política de bota abaixo”

0
17

“A JS/Faial entende que os assuntos da Câmara devem ser tratados na Câmara”. A afirmação é do secretário coordenador da JS/Faial, Cliff Silva, na conferência de imprensa que esta organização partidária realizou ao início da tarde da passada sexta-feira, em resposta às declarações públicas proferidas pelos vereadores do PSD na Câmara Municipal da Horta.

A juventude socialista mostrou-se indignada com as acusações dos vereadores do PSD, que acusaram a maioria da autarquia de, “por sistema”, “esvaziar de conteúdos as reuniões do executivo”. Para a JS/Faial, estas acusações “não têm qualquer fundamento”.

Cliff Silva vai mais longe ao referir que a JS/Faial considera “estas declarações muito graves e completamente inadmissíveis por parte de alguém que foi eleito para representar ao mais alto nível esta autarquia”. “O que depreendemos dessas palavras é que se trata de mais uma postura de alguém que ao fim de dois anos ainda não percebeu o que é um órgão colegial e o que é um órgão democraticamente eleito”, acrescenta.

O secretário coordenador da JS/Faial acusa os vereadores laranja de quererem tratar os assuntos da Câmara Municipal na “praça pública” em vez de os tratar nas reuniões de Câmara. “Os senhores vereadores do PSD ou de qualquer outra força política que tenham preocupações ou gostariam de ver discutidos alguns assuntos, poderiam e deveriam solicitar o seu agendamento em reunião de Câmara”, entende.

Cliff Silva salienta ainda que, ao que a JS/Faial apurou, todos os assuntos apresentados pelas diferentes cores políticas foram agendados e levados a reunião de Câmara. “Até hoje os assuntos colocados foram devidamente esclarecidos em reunião de Câmara, como, aliás, nós testemunhámos, e se alguma dúvida persistir sobre esta questão poderão ser solicitadas as actas das reuniões de Câmara que são públicas e estão colocadas online”.

O jovem socialista acusou também os vereadores laranja de contradição, quando dizem não concordar “com as práticas arrogantes e autocráticas que ofendem a normalidade democrática”. Cliff frisa a este respeito que, “no sentido de dar mais celeridade aos processos, a Câmara Municipal deliberou delegar competências suas não só no presidente mas também na vereação e esta deliberação foi tomada por unanimidade”. O coordenador da juventude rosa reforça ainda que a posição dos vereadores do PSD “é de nunca votar a favor, visto serem da opinião de que os assuntos que estão delegados devem ser decididos por quem tem delegação e não devem ser levados a reunião de Câmara”. “Nós não entendemos esta contradição”, salienta.

Para Cliff Silva, o propósito da intervenção dos social-democratas visou apenas o aproveitamento da cobertura mediática que daí adveio.

Dívida da Câmara preocupa Juventude Socialista

Se a JS/Faial tem uma palavra a dizer sobre a postura dos vereadores municipais laranja, o mesmo não se pode dizer em relação às contas da autarquia.

No final da conferência e questionado pelos jornalistas sobre as recentes declarações públicas do presidente da Câmara sobre os 3 milhões de dívidas da autarquia a fornecedores e a possibilidade do encerramento de alguns serviços como o Teatro Faialense e a piscina municipal, Cliff Silva afirmou estar “sensível” às questões, mas não quis tecer comentários uma vez que não integra o elenco camarário.

O líder da juventude rosa no Faial considera no entanto que as verbas em falta da parte do Governo da República para a Câmara da Horta no âmbito das verbas do IRS – cerca de 1 milhão de euros – seriam muito importantes para ajudar a pagar aos fornecedores.

Relativamente à possibilidade de encerrar serviços como o Teatro e a piscina Municipal, Cliff Silva voltou a empurrar a questão para o presidente da Câmara: “é claro que nós não gostaríamos que tudo isto estivesse a acontecer e que de futuro esses serviços tivessem que encerrar, mas tendo em conta a actual dificuldade penso que é algo que o presidente deverá explicar”.