Mais 1.121 empregos criados nos últimos três meses nos Açores, revela o INE

0
21
DR

A Diretora Regional do Emprego e Qualificação Profissional manifestou satisfação pelos resultados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) referentes ao emprego, segundo os quais os Açores voltaram a registar uma redução da taxa de desemprego e um aumento muito significativo do emprego criado.

“Os dados hoje divulgados demonstram uma redução consistente e sustentada da taxa de desemprego nos Açores e um correspondente aumento do emprego criado na Região”, afirmou Paula Andrade, acrescentando que, “só nos últimos três meses, conseguimos que mais 1.121 Açorianos estejam empregados” e que “existem hoje menos 631 Açorianos desempregados que há um ano”.

A redução da taxa de desemprego para 8,4% é ainda mais relevante quando ocorre no primeiro trimestre do ano, que é um trimestre que, pela sazonalidade, normalmente origina um aumento da taxa de desemprego.

Neste contexto, os Açores, ao contrário do que aconteceu no país, conseguiram neste trimestre reduzir a taxa de desemprego e consolidar assim a redução do desemprego verificado, sendo que, face ao mesmo período do ano anterior, SE verifica uma redução de 0,5 pontos percentuais da taxa de desemprego.

“A criação de 1.121 novos empregos apenas no primeiro trimestre deste ano, permite-nos reforçar a confiança na trajetória e na estratégia que estamos a empreender e perspetivar que este ano vamos continuar, de forma sólida e sustentada, a criar emprego e a reduzir o desemprego nos Açores”, frisou a Diretora Regional.

“Hoje, temos mais 12.786 Açorianos empregados do que há cinco anos e menos 11.425 Açorianos desempregados”, acrescentou.

“Esta é uma realidade que encaramos com satisfação, mas que apenas nos motiva para, cada vez mais, trabalharmos para apoiar os Açorianos e as empresas açorianas a criar ainda mais emprego e a reduzir ainda mais o desemprego. É este o nosso desafio, que, pelos resultados alcançados, vamos cumprindo com sucesso”, afirmou Paula Andrade.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO