Motoristas: CDS defende alteração à lei dos serviços mínimos para garantir que o país não para

0
13

O deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares defendeu hoje uma alteração à legislação que regula os serviços mínimos decretados em caso de greve, de forma a garantir que o “país não para” e não “fica prisioneiro de interesses”.

“O CDS está disponível para discutir e propor uma alteração à lei dos serviços mínimos”, afirmou o parlamentar em conferência de imprensa na Assembleia da República.
Com esta alteração, os centristas pretendem garantir que “os serviços mínimos asseguram a normalidade do país” e que “o país pode trabalhar normalmente e não ficar prisioneiro, refém, de alguns interesses profissionais e corporativos” durante uma greve.

Pedro Mota Soares defendeu também que “a lei dos serviços mínimos tem de garantir, efetivamente, a prestação dos serviços mínimos”.
“Não é tolerável nós vermos ameaças, não é tolerável nós vermos neste momento alguns sindicatos a anunciarem, a dizerem que não estão disponíveis para cumprir serviços mínimos. Isso não é tolerável e a lei tem de assegurar que, a partir do momento em que os serviços mínimos são decretados eles são efetivamente cumpridos, garantindo que o país não para, garantindo que a nossa economia não para, garantindo que os portugueses podem continuar a fazer a sua vida em normalidade”, sublinhou o deputado. O Governo fixou na quarta-feira os serviços mínimos para a greve depois das propostas dos sindicatos e da associação patronal Antram terem divergido entre os 25% e os 70%, bem como sobre se incluem trabalho suplementar e operações de cargas e descargas.
Em 15 de julho foi marcada nova greve pelos sindicatos SNMMP e Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM), acusando a Antram de não querer cumprir o acordo assinado em maio.
Os representantes dos motoristas pretendem um acordo para aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1.400 euros em janeiro de 2020, 1.550 euros em janeiro de 2021 e 1.715 euros em janeiro de 2022.
Também se associou à greve o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO