MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE MELHORA DESEMPENHO NA RECOLHA SELETIVA

0
6
DR

O Município de São Roque do Pico registou uma evolução positiva na média de Recolha Seletiva de Resíduos Urbanos em 2019.
Dados estatísticos do Sistema Regional de Informação de Resíduos da Direção Regional do Ambiente indicam uma subida ligeira da taxa de reciclagem de papel/cartão, vidro e plásticos, passando de 10,6%, em 2018, para 11,12% no ano de 2019.
Ao longo do ano passado, o total da Recolha Seletiva no C
oncelho de São Roque do Pico atingiu as 130,022 toneladas, enquanto esse valor, em 2018, tinha sido de 128,326 toneladas.


O papel/cartão continua a ser o resíduo recolhido em maior quantidade atingindo, em 2019, as 60,02 toneladas, seguindo-se o vidro, com 44,24 toneladas, e o plástico, com 25,762 toneladas.


Apesar do ligeiro aumento na recolha seletiva de resíduos constatou-se que o patamar dos 10 por cento não foi atingido em 11 meses do ano de 2019, o que obrigou ao pagamento de encargos mais elevados pela autarquia nos resíduos entregues no Centro de Processamento de Resíduos (CPR) para serem submetidos a valorização. Ou seja, quando não se atinge o patamar dos 10 por cento de resíduos entregues no CPR a Câmara paga 62,40 euros por cada tonelada, mas se esse patamar for atingido o valor baixa para 41,60 euros por cada tonelada entregue no Centro.


No caso concreto, se, ao longo de 2019, a meta dos 10 por cento tivesse sido alcançada nos 12 meses, a Câmara de São Roque teria poupado 8046,51 euros.
Perante estes números a reciclagem é fundamental para proporcionar uma melhoria ambiental em todo o concelho, mas, também, para se conseguir reduzir a fatura dos resíduos.


A gestão dos resíduos é, aliás, uma forte preocupação do Município de São Roque do Pico, e, por isso, têm sido desenvolvidos esforços para incentivar a recolha seletiva.
Tendo em vista o aumento da separação dos resíduos, o executivo municipal liderado por Mark Silveira tem dinamizado, através dos técnicos municipais, campanhas de sensibilização ambiental em escolas e centros de convívio, além de apostar na otimização dos circuitos de recolha seletiva e reforço da frota de ecopontos e manutenção dos mesmos. Além disso, formalizou uma candidatura ao Programa Operacional Açores 2020, que permite reforçar o número de contentores existentes, bem como a frota automóvel destinada à recolha de resíduos.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO