NOTA DE IMPRENSA DO CDS AÇORES SOBRE SAÚDE

0
16

O Presidente do CDS Açores afirmou hoje em conferência de imprensa que o direito à proteção na saúde é um dos direitos basilares de todos os cidadãos e conforma um dos deveres fundamentais nos Estados de Direito Democráticos e Sociais e que os constrangimentos ao nível de saúde pública que hoje enfrentamos demonstram à evidência a necessidade de a Região ter um Serviço Regional de Saúde com capacidade para responder às necessidades dos Açorianos.

Para Artur Lima “a Região não pode continuar pelo mesmo caminho na saúde em que acesso atempado é cada vez mais distante com este governo e com esta maioria”. Segundo o Presidente do CDS Açores “não basta que o governo faça homenagens. É preciso que seja capaz de dignificar e valorizar as suas carreiras. O caminho que este governo e esta maioria persistem em fazer é um caminho de recusa de direitos e supressão de serviços que não pode continuar. Este paradigma da promessa e da proclamação de resoluções para os problemas sem que se resolva nada em concreto, tem de acabar”.

Artur Lima deu como exemplo a carreira dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica no Serviço Regional de Saúde, “que o governo recusa persistentemente a valorizar, após reuniões e promessas que se arrastam, em total desconsideração por uma classe profissional que é essencial para um bom e eficaz funcionamento do serviço regional de saúde”.

Referindo-se às respostas do Serviço Regional de Saúde na ilha Terceira, o deputado e presidente do Grupo Parlamentar do CDS diz não conhecer a razão pela qual a Unidade de Saúde da ilha Terceira não contrata mais técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, nomeadamente fisioterapeutas e técnicos de terapia da fala, como o CDS propôs e fez aprovar por unanimidade no parlamento regional em 2016.

Considerando ser imperioso reforçar os quadros da Unidade de Saúde de Ilha com estes técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, Artur Lima, alertando para a evidência das opções do Governo ao nível da saúde, afirmou ser surreal, perante o diagnóstico de falta de recurso humanos em setores estratégicos e fundamentais para o Serviço Regional de Saúde, que o Governo e a Unidade de Saúde de Ilha tenham anunciado ir proceder à contratação de um técnico de marketing. Qualificando de “ultrajante e ofensivo para os utentes do serviço regional de Saúde que, perante a falta de técnicos de terapêutica e diagnóstico, este governo e esta administração da Unidade de Saúde de Ilha respondam com a contratação de um técnico de marketing”, o presidente do CDS interrogou-se sobre o critério que consubstancia esta decisão, questionado se “a contratação do Técnico de marketing é para promover as longas e vergonhosas listas de espera, para publicitar o tempo de espera de acesso aos meios complementares de diagnóstico ou para explicar aos utentes porque é que ainda não têm médico de família?”.

Para Artur Lima “este é um caminho que é preciso parar. Em primeiro lugar está a saúde dos Açorianos e depois a propaganda. Compete ao Governo através da Direção Regional de Saúde fixar as políticas de saúde e o fazer o planeamento dos recursos humanos que são necessários. Compete ao Governo, numa altura em que é preciso capacitar o nosso Serviço Regional de Saúde de fazer o que está certo e o que deve ser feito: estabelecer as prioridades e reforçar o Serviço Regional de Saúde com os profissionais imprescindíveis a uma boa rede de cuidados de saúde”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO