Novo matadouro da Graciosa tem impulsionado o crescimento da exportação de carne de bovino

0
11

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou hoje que o novo matadouro da Graciosa, inaugurado em 2019 e já certificado em termos de qualidade e segurança alimentar, tem contribuído positivamente para impulsionar o crescimento da exportação de carne de bovino produzida na ilha e estimular a economia local.

 

“Se compararmos os dados do primeiro semestre de 2020 com igual período de 2019 constata-se que a expedição de carcaças a partir da ilha Graciosa registou um crescimento de 32% e já representa 70% da totalidade dos abates para consumo”, referiu João Ponte, que falava numa sessão de apresentação de medidas de apoio à reestruturação do setor leiteiro organizada pela Associação de Agricultores da Ilha Graciosa.

 

O governante destacou ainda que, abater mais animais na Graciosa, em alternativa à expedição em vida, constitui uma significativa alteração de paradigma no setor da carne nesta ilha, contribuindo para gerar mais rendimento entre os produtores e novas oportunidades, bem como justifica o investimento de 5,4 milhões de euros na construção do novo matadouro.

 

João Ponte salientou que a Graciosa, à semelhança de outras ilhas na Região, tem condições para a produção de carne de excelência, fruto da aposta que o setor tem feito em termos de melhoria genética, bem-estar animal, sanidade, bem como do investimento realizado ao nível da modernização das explorações.

 

Apesar dos bons indicadores, o Secretário Regional afirmou que o setor está confrontado com desafios importantes, ampliados pela situação de pandemia, como sejam encontrar novos mercados capazes de valorizar mais a produção, apostar cada vez mais na melhoria do acabamento dos animais, na desmancha e no abate local, bem como no reforço da notoriedade da carne dos Açores, para comunicar melhor as caraterísticas que diferenciam a produção açoriana.

 

Para responder a esses desafios, João Ponte afirmou que estão já a ser tomadas medidas orientadas para o futuro, que foram devidamente articuladas com a produção e a comercialização, destacando o exemplo da implementação da estratégia regional de valorização da carne dos Açores, desenvolvida pela CERCA, por forma a que seja possível criar mais valor económico à carne dos Açores no mercado externo.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO