O Coração de um Português

0
30
blank
Manuel Quaresma site opinião

Manuel Quaresma

Faz hoje precisamente cinquenta (50) anos da minha desmobilização de combatente no Ultramar Português em Angola. Cinquenta anos passados depois de 750 dias em defesa de Portugal no Ultramar.

Ora bem, que guerra foi esta?

Como diria o meu pai, militar na última guerra mundial de 1940, com três anos e meio de tropa, diria ele que a guerra só é má para quem lá vai e pior para quem lá fica, ou então sofre mazelas de saúde ou fica deficiente para o resto da vida.

Isto para dizer que a guerra no ultramar, principalmente em Angola que é o que conheço, trouxe àquele país um desenvolvimento extraordinário: o que a minha companhia fez em pouco mais de dois anos foi de facto digno de registo. Para além daquilo que precisávamos como camaratas para dormir, paiol para o nosso armamento, um quartel novo embora pré-fabricado, duches para banho, enfim, isto para nós. Quantos quilómetros de estradas, quantas pontes, em 1970, chegamos a aldeias, onde ainda lá não tinha estado um militar português, em que aquele pobre povo, gente como nós, só diferente em cor, vivia. Não posso dizer o que os meus olhos viram, se o disser, quem lá não esteve obrigatoriamente tem de por muitos pontos de interrogação??? Por isso mesmo, hoje ainda me sinto recompensado não pelo que sofri, mas pelo bem que fiz aos outros. É que só vivemos uma vez e o que nos resta é o bem ou mal que fizemos; neste caso, o bem aos nossos irmãos angolanos.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura