O Faial e os Açores em 2020

0
74
TI
TI

Na passada semana foram debatidos e aprovados os documentos que irão ter um impacto relevante na vida de todos os açorianos no próximo ano. Refiro-me ao Plano e Orçamento Regional para 2020, que tem um valor global de 1.812 milhões de euros, contemplando um investimento público de 816,4 milhões de euros.
Antes de enumerar medidas, importa referir a postura dos diferentes partidos políticos neste importante ato da nossa democracia.
O PS esteve disponível para dialogar e acolher propostas de todos os partidos, mesmo sabendo que, com maioria absoluta, nem necessitaria de apoio para a aprovação dos documentos elaborados pelo Governo.
Houve partidos da oposição que aceitaram o repto, como o CDS e o PCP, e houve partidos como o PSD, que antes mesmo de iniciar o debate, já se tinham excluído do esforço de concertação para o bem dos Açores e dos açorianos, dizendo de antemão que votariam contra.
Mais do que palavras, o facto que comprova a postura do PS foi o resultado final das alterações aprovadas. Foram aprovadas 35 propostas ao Plano de Investimento, tendo a maioria (19) o carimbo de vários partidos da oposição. No caso do Orçamento dos Açores, foram aprovadas 25 propostas de alteração, 16 das quais de partidos da oposição, contradizendo a tese daqueles que apregoam a falta de diálogo do Governo Regional.
Nas palavras de Vasco Cordeiro, “Não é pelo facto de sermos governo que achamos que está tudo bem. Não é pelo fato de se ser oposição que se deve achar que está tudo mal”. Acontece que para o maior partido da oposição, está sempre tudo mal, basta ver os debates em plenários e os artigos de opinião na imprensa. Já dar um contributo para a concertação, válido para a resolução dos problemas, pelos vistos não é prioridade, talvez por estarem mais preocupados com problemas internos. Deixo por isso uma palavra de apreço para Governo, PS, CDS e PCP pelo trabalho realizado, consubstanciado em resultados práticos em prol dos Açorianos.
Dos centristas destaco as propostas aprovadas para reforçar o valor do Complemento Especial ao Doente Oncológico e o valor do Complemento para a Aquisição de Medicamentos para Idosos.
Do PCP as propostas do reforço do valor do Complemento Açoriano do Abono de Família para Crianças e Jovens e do reforço da remuneração complementar.
Fruto do trabalho conjunto, o Plano e Orçamento foram aprovados com o voto a favor de PS e CDS, com a abstenção do PCP e os votos contra da restante oposição.
No que respeita à ilha do Faial, o Plano e Orçamento para 2020 contempla a construção do novo Quartel de Bombeiros, a requalificação do Parque de Exposições, o novo Entreposto Frigorífico, o novo edifício destinado às empresas marítimo-turísticas, a nova igreja de Pedro Miguel, o Centro Intergeracional da Feteira, o reforço da proteção costeira da baía de Porto Pim, a reabilitação da Trinity House e a ampliação do Centro de Dia de Conceição.
Não nos podemos também esquecer das obras em curso, como a ampliação do Hospital da Horta, a construção do novo Centro de Saúde, a Escola do Mar, a reabilitação da Estrada Regional Largo Jaime Melo/Ribeira do Cabo e da “Reta de Pedro Miguel”, ou da reabilitação do Solar e Ermida da Quinta de São Lourenço, bem como, o investimento já concluído nesta legislatura, de onde se destaca o novo Matadouro, a reabilitação da Fábrica da Baleia, a ampliação do Jardim Botânico, a requalificação ambiental do aterro sanitário, a remodelação e ampliação do Lar das Criancinhas, o novo Centro de Dia dos Flamengos e a construção da Igreja do Salão.
Todos nós nos lembramos de outras importantes reivindicações, quer para o Faial, quer para as restantes ilhas, mas parece-me um Plano equilibrado, que vai ao encontro das principais necessidades e, espero eu, no continuar do caminho em que todos contam. [/ihc-hide-content]

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO