O ruinoso “Cachalote” da SATA

0
44
TI
TI

1 A festa do novo avião
A 4 de fevereiro de 2016, por volta das 15h00, aterrava em Ponta Delgada o “Cachalote”, um Airbus A330 com capacidade para 280 passageiros.
A 23 de março desse ano, foi batizado de “Ciprião de Figueiredo”, numa cerimónia em clima de festa presidida por Vasco Cordeiro, presidente do Governo Regional dos Açores (acionista único da Sata) e que nesse ano se iria candidatar a um novo mandato.
Este era o primeiro de dois aviões A330 que foram anunciados, o segundo dos quais deveria chegar no ano seguinte, algo que nunca se concretizou.
Felizmente, digo eu.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO