Por um intenso silêncio

0
23

Por: Lídia Bulcão

Para quem cresceu, como eu, na baixa da cidade da Horta, a pouco mais de cem metros do mar, o campo devia ser um lugar estranho. E, no entanto, encontro no silêncio do campo um estranho sentimento familiar, uma sensação de lar, doce lar, aonde chego e quero ficar.
O burburinho da cidade, que muitos sentem como seu, nunca foi lugar com que me identificasse. Por mais que o movimento das ruas ou das pessoas dê vida às cidades, foi sempre aos seus lugares mais vazios que voltei vezes sem conta para me encontrar.
Não sei se por sentir desde cedo a vida da cidade em excesso, em cada buzinadela de carros ou conversa ouvida à beira da janela, quando do lado de dentro tentava dormir o doce sono da adolescência ou concentrar-me nos livros.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO