Produção científica do DOP reconhecida internacionalmente

0
12

O grupo de investigação em áreas marinhas protegidas do Instituto do Mar da Universidade dos Açores (IMAR/UAç) viu sete dos seus artigos científicos, elaborados no ano de 2014, expostos mundialmente em revistas de referência internacionais.

A produção científica divulgada remetia à demografia oceânica, uso do habitat e movimentos das comunidades piscícolas e aos efeitos da proteção em áreas marinhas protegidas costeiras e offshorequer dos Açores quer do continente português

As publicações revelam abordagens inovadoras na combinação de dados sobre abundância piscícola e os seus movimentos, estudados com recurso à biotelemétrica acústica. Desta forma pode-se averiguar a vulnerabilidade dos indivíduos à pesca e detetar zonas de prioridade (ou hotspots) que requerem intervenção para garantir a manutenção e sustentabilidade das espécies marinhas locais.

Além da mediatização dos artigos, estes podem vir a ser utilizados como base à gestão adaptativa das redes de áreas marinhas protegidas ou mesmo integrados num relatório técnico, a cargo da Direção Regional dos Assuntos do Mar dos Açores, que se propõe apresentar cenários possíveis para áreas desta natureza no canal Faial-Pico.

Entre os trabalhos académicos merecedores de destaque estão Can small MPAs protect local populations of a coastal flatfish, Solea senegalensis?Combining multispecies home range and distribution models to evaluate the optimal design of MPAsEarly reserve effects linked to small home ranges of a commercial fishÁreas Marinhas Protegidas nos Parques Naturais de Ilha do Faial e do Pico, sector Canal: cenários iniciais; Permanent aggregations of a pelagic predator at seamountsAssessing hotspots within hotspots to conserve biodiversity and support fisheries managementMarine conservation of multispecies and multi-use areas with various conservation objectives and targets e ainda o estudo intitulado Coastal Marine Protected Areas in the Azores: opportunities, benefits and limitations.

Durante o ano transato os investigadores monitorizaram ainda as áreas marinhas protegidas do arquipélago, nas ilhas do Corvo, Faial, Pico, Santa Maria e Graciosa, além da território das Formigas.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO