PS/Faial defende que problemas internos não dignificam Escola do Mar dos Açores

0
86

O Secretariado de Ilha do PS/Faial manifestou a sua preocupação com os atuais constrangimentos colocados à Escola do Mar dos Açores (EMA), apelando a que os problemas internos se resolvam o mais rapidamente possível, por forma a que a Região, e em particular o Faial, possa tirar partido desta importante infraestrutura.

Para os Socialistas, estas questões que têm sido noticiadas desde o passado mês de maio, não dignificam a instituição inaugurada há menos de um ano, nem contribuem para o bom nome desta estrutura formativa, cuja oferta se pretende que seja uma referência nacional e internacional na formação de profissões ligadas a este setor.

“Esta situação, para além de colocar em causa a própria Escola do Mar, põe ainda em causa um desígnio estratégico do Faial, mas também dos Açores, dado que esta instituição constitui um elemento fundamental na estratégia de aproveitamento das potencialidades que o Mar oferece à Região, para além de contribuir para a dinâmica económica da ilha”, considera o PS/Faial.

Conforme salientam os Socialistas, e atendendo à importância do projeto, “o governo de coligação não pode, nem deve, utilizar a Escola do Mar dos Açores para fins político-partidários”, lamentando, por essa via, “o desastre que este executivo tem vindo a demonstrar na gestão de importantes infraestruturas para Região”.

Para o PS/Faial, e como se prova, os Açores estão a ficar para trás num conjunto de matérias, manifestando, desde logo, a sua preocupação com a retoma do setor turístico, mas também com o futuro da Escola do Mar, “que se pretende que seja um ativo estratégico da aposta da Região na Economia Azul”.

De recordar que a Escola do Mar, que no seu arranque envolveu a Universidade dos Açores, através do Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP/UA), a Escola Superior Náutica Infante Dom Henrique (ENIDH) e a Câmara Municipal da Horta, assume um pioneirismo na formação para o Mar, quando se propõe construir e integrar uma oferta formativa, na formação de marítimos, de mestrança e marinhagem, nas áreas da pesca, aquacultura e comércio, incluindo áreas como a certificação STCW, a construção e reparação naval, o setor portuário, o turismo, o ambiente a segurança e a energia.

Esta instituição, que resultou de um exemplo de cooperação entre Governo Regional dos Açores, do Partido Socialista, e o Governo da República, e que resultou na recuperação e requalificação da antiga Estação da Rádio Naval da Horta, pretende ainda corresponder às necessidades formativas locais, com potencial na captação de novos mercados e oportunidades que poderão ser exploradas no plano nacional e mesmo internacional.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO