PS: PSD quer eternizar os estágios dos jovens Açorianos em vez de criar condições à sua contratação

0
43
blank
Deputado Vilson Ponte Gomes

Vílson Ponte Gomes denunciou, esta quarta-feira, que a iniciativa apresentada pelo PSD para recomendar ao Governo que permita períodos alargados dos programas Estagiar L e T, para “suprir necessidades de mão-de-obra qualificada”.

O deputado socialista falava na cidade da Horta, no plenário da Assembleia Legislativa Regional.

O parlamentar realçou que “ser jovem é hoje muito exigente” e que os jovens Açorianos “enfrentam um conjunto de desafios nos seus projetos de vida, como a obtenção do primeiro emprego, um primeiro contrato estável em que seja pago um salário digno face as suas habilitações”.

Vílson Ponte Gomes sublinhou que “quando queremos incentivar a contratação e eliminar a precariedade, não deveríamos estar aumentar os tempos dos estágios”, criticando a proposta do PSD por, na prática, “aumentar o tempo em que as empresas têm mão-de-obra quase gratuita ou com ordenados tabelados”.

“O que o PSD nos veio aqui propor foram alterações aos programas Estagiar L e T, que incentivem e promovam a precariedade e a instabilidade laboral, justamente o contrário daquilo que os jovens precisam”, lamentou o deputado socialista.

Vílson Ponte Gomes considerou que é “importante corrigir os programas de estágio”, mas sempre no sentido de “assegurar melhores condições de integração dos jovens na vida ativa e assegurando a aquisição de competências”.

O deputado socialista realçou que o “combate à precariedade laboral é uma questão de grande centralidade para o Partido Socialista e para os jovens Açorianos”, sendo para o Partido Socialista a “prioridade das prioridades”.

“Com esta proposta do PSD, os jovens Açorianos vão ganhar menos com esta iniciativa, não vão ganhar mais, porque no momento de falta de mão-de-obra que atravessamos, aquilo que o Governo Regional deveria estar a fazer era incentivar as empresas a contratar e não estar a dar estágios, fornecendo mão-de-obra barata”, finalizou o deputado do PS, Vílson Ponte Gomes.