Recordando a Escola Primária

0
9

Quantos rapazes seriamos, ao entrar na primeira classe do Ensino Primário da Escola Masculina da matriz e, simultaneamente feminina, pomposamente denominada de Coronel Silva Leal.
Acredito que seríamos mais de três dezenas de rapazinhos, uns mais tímidos e assustados do que outros, mas todos bem recomendadinhos de casa, para se portarem bem e cumprirem as orientações do Sr. Professor.
Não sei se seria capaz de recordar seus nomes todos, mas acredito que boa parte me acudiria à memória.
Alguns acompanharam-me sempre até à conclusão da 4.ª classe e após aprovação no Exame de Admissão, seguiram para o Liceu, ao tempo, denominado de Provincial Manuel de Arriaga.
Outros, em bom número, ficaram-se pela 4.ª classe e, de imediato, segundo o costume da época, foram começar a trabalhar, ora no comércio e diversificadas artes profissionais, ora, porventura, seguindo as pisadas dos pais, avós, etc.
Poucos terão ficado pelo caminho, repetindo frequências nas mesmas classes, na esperança de poderem vir a conseguir a tão almejada 4.ª classe.
Os anos foram rolando e fomos sendo cada vez menos, quer no ano liceal, quer na turma, já que era frequente debandarem, ora acompanhando os pais, ora emigrando até aos Estados Unidos.
Com pesar meu, nunca mais foi possível um ajuntamento ao longo da vida, que para tantos já se foi, até que não era hábito nosso, tais reuniões.
Só muito mais tarde, já pais de família, na sua maioria, é que a nível liceal foi possível reunirmo-nos, geralmente por anos para celebrar datas que nos marcaram e falam ao coração.
Nos tempos que correm, se pretendesse, porventura ajuntar aqueles que comigo entraram na 1.ª classe da Escola Primária, acredito que, talvez os dedos duma mão bastassem para os enumerar.
Mas, a vida é assim, e, ao passar na Praça da República, na Rua das Árvores, no Largo do Relógio, ou até no actual Estádio da Alagoa, aviva-se a saudade, quer desses locais que nos serviram de palco de brincadeiras, quer de amizades que o tempo ceifou, mas que, acreditamos, a Eternidade conserva.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO