Taxas de transição escolar nos Açores acima de 90% em todos os ciclos de ensino

0
8

O secretário da Educação e Cultura do Governo dos Açores disse hoje que as taxas de transição registadas na região no ano letivo 2019/2020 foram as “mais altas de sempre”, situando-se acima dos 90% em todos os ciclos de ensino.

O Secretário Regional da Educação e Cultura destacou hoje, em Angra do Heroísmo, que “todas as taxas” de transição de ciclo no sistema educativo regional ficaram acima do estabelecido no plano integrado de promoção do sucesso escolar ProSucesso – Açores pela Educação.

Avelino Meneses, que falava, por videoconferência, na abertura do 4.º Encontro Regional de Tecnologias na Educação, adiantou que, de acordo com os dados da última avaliação interna, as taxas de transição se traduziram em 96,9% no 1.º Ciclo, em 98% no 2.º Ciclo, em 94,3% no 3.º Ciclo e em 91,9% no Secundário.

“Todas estas taxas estão acima das metas estabelecidas para o termo do programa de promoção do sucesso escolar ProSucesso – Açores pela Educação, em 2025-2026”, frisou.

Nesse sentido, considerou que importa, depois de “um ano atípico”, primeiro com ensino presencial e depois com ensino à distância, verificar a “consistência no futuro” desses dados.

Por outro lado, o titular da pasta da Educação destacou a “utilidade” da REDA, uma plataforma dedicada à disponibilização de conteúdos educativos para a comunidade escolar criada pelo Governo dos Açores.

Esta plataforma, que foi lançada no ano letivo 2015-2015, foi reconhecida pelo Ministério da Educação, no último período letivo, como “uma das plataformas utilizáveis no desenvolvimento” do ensino à distância, referiu o Secretário Regional.

Avelino Meneses apelou à comunidade escolar para a utilização das novas tecnologias como “instrumento” do ProSucesso – Açores pela Educação, plano integrado de promoção do sucesso escolar.

É que, frisou o Secretário Regional, o que veio precisamente este “ano atípico” colocar “em evidência” foi a “indispensabilidade das tecnologias” no ensino.

Apesar de “alguma” falta de meios e de preparação de docentes e alunos, foi possível operacionalizar com o esforço da comunidade escolar, um sistema de ensino de ensino à distância que ficou “além das expetativas de todos nós”, afirmou.

Avelino Meneses frisou ainda que, no novo ano letivo, que se inicia a 15 de setembro, o Governo dos Açores aposta no ensino presencial, mas encontra-se preparado para voltar, caso a situação sanitária se altere, ao ensino à distância, tendo, entre outros aspetos, reforçado a aquisição de equipamentos informáticos a ceder aos alunos a título de empréstimo.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO