Toxoplasmose, o medo na gravidez

0
11

Para muitas pessoas toxoplasmose pode não significar nada, mas para as futuras mamãs (humanas) é uma grande preocupação, assim como para os médicos que as acompanham.

Isto porquê? A toxoplasmose em grande parte dos casos não provoca sintomatologia no ser humano, no entanto no caso das mulheres grávidas a infestação poderá provocar alterações no feto, com gravidade variável.

Por ser um grande perigo merece especial atenção e deve ser clara a abordagem e cuidados a ter a nível preventivo. 

Mas afinal o que é a toxoplasmose? A toxoplasmose é uma doença parasitária provocada por um protozoário, o Toxoplasma gondii. Este protozoário pode estar presente em qualquer vertebrado, na sua carne, mas só completa o seu ciclo de vida no gato.

Devido a este facto, muitas vezes, de forma exagerada no ponto de vista dos Médicos Veterinários, é aconselhado às senhoras grávidas que têm gatos, livrar-se destes. E muitas de facto fazem-no, enviando o animal para familiares ou amigos ou, em casos extremos, recorrendo ao abandono ou à eutanásia do gato, devido ao receio de que o seu bebé esteja em risco. 

Devido a estas ocorrências, o papel do Médico Veterinário torna-se de grande importância, para que os proprietários que pretendem ter filhos estejam corretamente informados, mas evitando alarmismos.

O gato infesta-se através da ingestão de carne portadora do toxoplasma. A sua única forma de excreção do parasita é através das fezes, libertando os oócitos (ovos por assim dizer, a forma que nos infesta), que podem sobreviver no ambiente durante muito tempo. 

Embora durante muito tempo o gato tenha sido considerado “o culpado” pela afetação das grávidas, estudos indicam que a principal forma de infestação das grávidas pelo Toxoplasma gondii é através de carnes portadoras do toxoplasma, incorretamente cozinhadas, assim como de frutas, vegetais e legumes consumidos crus, com higienização ineficaz. 

O contágio de grávidas directamente pelo gato é algo pouco comum. A apoiar o facto de ser incomum, ainda há a acrescentar que os gatos, depois de infestados, costumam excretar os oócitos uma vez só, normalmente não ocorre repetição de excreção. No entanto as futuras mamãs podem ser testadas para a toxoplasmose, procedimento habitual durante o acompanhamento da gravidez. 

Os gatos também podem ser testados mas, não é prática comum porque, especialmente em gatos saudáveis, os resultados são inconclusivos por si só.

Após analisarmos a forma de contágio concluímos que para além de carnes portadoras de toxoplasma (que podem ser todas), em relação ao gato só nos podemos infestar pelas suas fezes, logo os cuidados chave estão relacionados com os locais onde estes defecam: a areia e a terra. Sendo assim apresento os cuidados a ter com o gato e cuidados que as senhoras grávidas devem ter:

 

Cuidados a ter com o gato:

• Não dar carnes de animais ao gato, especialmente cruas;

• Não deixar o gato aceder ao exterior e caçar outros animais (roedores, entre outros);

• Limpar diariamente a caixinha de areia. Frequentemente escaldá-la com água a ferver e limpar com produtos adequados.

 

Cuidados que a futura mamã deve ter:

• Cozinhar muito bem as carnes;

• Congelar as carnes, pelo menos durante três dias, antes de cozinhá-las;

• Usar luvas ao manusear as carnes cruas, assim como vegetais, legumes e frutas cruas;

• Usar luvas nas atividades de jardinagem;

• Lavar sempre muito bem as mãos com água bem quente e sabão antes de comer e sempre que necessário.

• Lavar muito bem os legumes, vegetais e frutas, com soluções adequadas. O ideal é consumi-los cozinhados.

A toxoplasmose é uma realidade e deve ser encarada com todo o cuidado, no entanto, “livrar-se” do seu gato não a protege contra esta e, como pôde verificar, o contágio através deste é incomum. Tenha sempre os cuidados básicos e verá que terá uma gravidez segura.

 

* Médica Veterinária CP 5511

Bibliografia: NELSON, Richard; COUTO, Guillermo. Small Animal Internal Medicine. Quarta Edição. Missouri: Mosby Elsevier, 2009.