Um Novo Ciclo para Vencer Novos Desafios

0
13

Realizou-se na semana passada a Convenção “Um Novo Ciclo para Vencer Novos Desafios”. Foi o culminar de um projeto iniciado em maio de 2011, por iniciativa do PS-Açores, durante o qual foram debatidos os mais diversos temas de interesse para a nossa sociedade. Nas diversas ilhas, centenas de açorianos juntaram-se a esta iniciativa, colaborando com as suas ideias e propostas em temas como, o potencial do mar, pescas, agricultura, educação, saúde, empreendedorismo, inclusão social, turismo ou os custos da insularidade. Os contributos recolhidos foram então compilados num documento entregue ao candidato do PS às próximas eleições regionais, Vasco Cordeiro, a fim de serem utilizados no programa eleitoral. Assim se demonstra que o PS valoriza a opinião da sociedade civil, que é um partido virado para fora, e não trabalha desligado das reais problemáticas que afetam os açorianos. Enquanto uns se reúnem para ouvir os militantes, outros dão a voz à sociedade civil, enquanto uns dão o palco a Pedro Passos Coelho, outros dão o palco para os açorianos falarem, enquanto uns reúnem para fazer uma dança de cadeiras, outros reúnem-se para discutir o que efetivamente se passa nos Açores.

É um fato que a sociedade mudou, os desafios que hoje se nos apresentam são mais difíceis e sérios do que num passado recente. Por isso o PS-Açores apresenta-se às próximas eleições regionais com uma confiança renovada. A renovação está bem patente nos cabeças de lista das 9 ilhas, dos quais 7 são novidades em relação às últimas eleições. Estamos perante um novo ciclo, perante uma equipa renovada, mas conhecedora da realidade da Região. Não podemos voltar atrás, aos protagonistas do passado, ao modo de fazer política do antes de 1996. Precisamos de uma nova geração, de uma nova ambição, de um novo modo de estar na política.

Em comparação com o resto do País, a nossa Região tem sido bem gerida. As contas públicas estão equilibradas, tendo já esse fato merecido confirmação por parte do FMI, BCE, União Europeia, Banco de Portugal, INE e Eurostat. Esta constatação por parte de todos os organismos referidos faz com que a credibilidade das políticas financeiras adotadas na Região seja fortalecida.

Somos também um exemplo na Europa na aplicação dos fundos comunitários e quem o diz é Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, e Raúl Prado, responsável da Direção Geral de Política Regional da Comissão Europeia, ambos da família política do PSD.

Mas, obviamente, nem tudo está bem e o que mais nos preocupa para o futuro é o flagelo do desemprego. O desemprego tem vindo a subir, atingindo níveis preocupantes em todo o País. A tónica do próximo Governo Regional terá de ser no crescimento económico, criando mais emprego, dando condições às empresas para se fortalecerem e criarem mais postos de trabalho.

Mas é igualmente essencial manter uma das bandeiras do atual Governo na região, de apoio aos mais necessitados, nomeadamente neste momento difícil que o País atravessa. Esse apoio é ainda possível nos Açores fruto, como já referimos, dumas contas públicas equilibradas. Infelizmente no Continente assistimos diariamente a uma destruição pura e dura do estado social.

Podemos até dizer que, mais do que nunca, é necessário minimizar nos Açores as políticas erradas contra o crescimento e o emprego, as políticas do “ir além da troika” e da austeridade custe o que custar, que nos são impostas pelo Governo da República e por todos aqueles que nos Açores apoiam e subscrevem estas políticas.

“Queremos ser nós – os açorianos – a definir e a decidir as soluções para o nosso Futuro.” Vasco Cordeiro. 

www.arquipelagica.blogspot.com

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO