Um Piano Para o Auditório “António Duarte”

0
30
TI

TI

A Escola Secundária Manuel de Arriaga apresentou recentemente, o projeto: “Um piano para o Auditório da Escola”. Este projeto visa a aquisição de um piano para a escola, através de um programa de angariação de fundos e de mecenato. Porquê a aquisição de um piano para a ESMA? Porque a Escola é um espaço de formação global dos indivíduos e não apenas de transmissão de matérias curriculares. Porque a Escola deve estimular a criatividade, a sensibilidade e ajudar a desenvolver as múltiplas potencialidades das crianças e dos jovens. Porque é competência da Escola criar condições para que todos tenham acesso não só ao conhecimento académico, mas a experiências culturais e relacionais significativas. Para além da lecionação dos conteúdos programáticos, a Escola deverá ser capaz de criar motivação para que a generalidade dos nossos alunos – independentemente da origem social e dos interesses culturais das famílias – participe em atividades culturais e possa ter acesso às diferentes formas de arte: do teatro, à dança, à música… Efetivamente, a educação não pode continuar a ser vista de uma forma fragmentada. O indivíduo é um todo: razão, sensibilidade, imaginação. A escola pode e deve oferecer experiências significativas aos seus educandos, promover contextos culturais, estimular os jovens à escuta da palavra ou da música, ao silêncio, envolvendo, ao mesmo tempo, pais e alunos na realização de concertos, abertos a toda a comunidade educativa.
Sabemos hoje que a imaginação e a criatividade se relacionam com a reorganização neurológica das experiências que estão na origem da liberdade de pensamento e originam esquemas inovadores de apropriação do conhecimento. O acesso a diferentes linguagens, nomeadamente a música, propicia o desenvolvimento de capacidades cognitivas e afetivas complexas. A função da arte revela-se organizadora do sentido social da pessoa e da comunidade.
Por outro lado, a música pode ser colocada ao serviço da inclusão de jovens com Necessidades Educa-tivas Especiais, dado que estes têm direito a ter as mesmas oportunidades de inserção e realização psicossocial que todas os outros. É um facto, também, que as crianças e jovens com Necessidades Educa-tivas Especiais, principalmente as necessidades originadas em défice sensorial ou mental, têm respostas pouco consistentes ao nível da estimulação criativa. A música como terapia permitiria trabalhar a linguagem, a concentração, a coordenação, a memória, a imaginação, a capacidade de escuta e o relacionamento inter-pessoal, e contribui para a inclusão e para o desenvolvimento das capacidades cognitivas.
A Escola Secundária Manuel de Arriaga criou uma conta numa instituição bancária. Quem quiser acarinhar este projeto poderá contribuir através da conta no banco Santander Totta. 

IBAN:
PT50001800034656044702013.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO