O programa gerações e o Governo Regional…

0
6
TI

O tempo está a contar para transformar o desafio demográfico num dividendo para os jovens. Cerca de uma em cada cinco pessoas no mundo são jovens, tendo entre 15 e 24 anos. A maioria destes jovens vive em países em desenvolvimento. Trata-se do maior número de jovens de sempre e prevê-se que esse numero continue a crescer até 2060. Esses países em desenvolvimento enfrentam desafios enormes na absorção de jovens na educação e no mercado de trabalho e não estão a beneficiar totalmente do dividendo demográfico. A estrutura etária nas economias desenvolvidas é consideravelmente mais elevada. Mas também aqui o emprego produtivo dos jovens é fundamental para sustentar o desenvolvimento económico, a solidariedade intergeracional e os sistemas de pensões.
Também nos Açores o cenário não é muito diferente, o mercado do trabalho açoriano, concretamente o setor público, tende a apresentar desequilíbrios etários. Exige-se assim, novos mecanismos de solidariedade e justiça intergeracional, permitindo dar resposta ao envelhecimento da administração publica regional, bem como a elevada taxa de desemprego jovem. A atual legislação em vigor prevê uma antecipação da aposentação voluntária, implicando, no entanto, a aplicação de fatores de redução, penalizando a quem pretende voluntariamente aposentar-se antes de idade prevista. Em iniciativa legislativa apresentada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores pelo grupo parlamentar do PSD/Açores, o programa gerações pretende a criação de mecanismos de incentivo financeiro que compensa os trabalhadores em funções publicas regionais que, a partir dos 60 anos, pretendam aposentar-se voluntariamente.
Para além de melhorar as condições antecipadas dos trabalhadores na função pública, este programa permite criar os pressupostos necessários para a contratação de jovens, rejuvenescendo o setor e melhorando a competitividade.
No período legislativo de março, esta iniciativa legislativa acabou mesmo por ser chumbada pela maioria socialista, prejudicando não só aqueles que já em muito trabalharam para a administração publica, mas acima de tudo, prejudicaram o futuro das gerações mais novas, hipotecando a sua estabilidade. Quer o Governo Regional subsjugar os jovens aos seus jogos de incerteza. Os donos disto tudo acham que podem governar a seu belo prazer, considerando heresia tudo o que tenha o carimbo do PSD/Açores, mesmo quando os subscritores da proposta mostraram disponibilidade para acolher contributos dos restantes partidos.
Portanto, um Governo Regional que se recusa a melhorar o que já existe, e considera um ataque tudo o que pode ser uma mudança tem sérias responsabilidades no futuro de uma geração. A culpa será sempre da oposição, pois a coberto de uma maioria absoluta, o partido socialista vai governando e desgovernando sem prestar contas a ninguém.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO