UV2022. Jovens açorianos podem ser os melhores do país na intervenção cívica e no empreendedorismo

0
25
blank

O presidente do PSD/Açores afirmou este sábado que os jovens açorianos podem ser “os melhores do país na intervenção cívica e no empreendedorismo”, assegurando que se está “a trabalhar para isso mesmo, para que possam ser dos melhores no plano nacional, e europeus de pleno direito”.

José Manuel Bolieiro falava na sessão de encerramento da 9ª Universidade de Verão da JSD/Açores e do PSD/Açores (UV2022), que decorreu até ontem em Santa Cruz da Graciosa, onde destacou a validade “da formação para a participação cívica” como forma “dos nossos jovens adquirirem mais qualificações para poderem participar ativamente no desenvolvimento da Região”, reforçou.

Nesse sentido, anunciou que, no âmbito do Plano e Orçamento para 2023, o Governo está a criar os conteúdos de um Plano Regional para a Literacia da Participação Democrática Jovem, “que será uma oportunidade clara da juventude ser dona e senhora do seu próprio pensamento, introduzindo novos conteúdos e praticando uma cidadania ativa”, avançou.

“Participem e façam participar, pois esse Plano estará ao vosso serviço”, apelou aos participantes da UV2022, lembrando que “as pessoas são o principal objetivo da atual governação dos Açores, quebrando com o passado recente”, como o comprova “a aposta na Educação, com a promoção do sucesso da juventude mais qualificada de sempre em Portugal e nos Açores”, disse.

José Manuel Bolieiro enfatizou que “os jovens açorianos podem ser os melhores do país na intervenção cívica e no empreendedorismo”, pelo que “é preciso consolidar a progressão estratégica que queremos”, em que os currículos académicos “devem assegurar a formação, mas também a cidadania, preparando uma nova perspetiva dos cidadãos de amanhã, que queremos tenham sucesso”.

E anunciou igualmente a criação do programa “Interage”, que será lançado na Ilha Graciosa até ao final do ano, e que visará formar jovens dirigentes do associativismo juvenil.

“Para que os nossos jovens tenham horizontes largos, porque os Açores são centralidade no mundo”, garantiu, assentando essa visão “em novos paradigmas, que não falarão em insucessos, mas em criação de riqueza e na garantia de meios para investir nas pessoas. E que não falarão em ultraperiferia, mas em desenvolvimento sustentável, com estabilidade social”, frisou o presidente do PSD/Açores.

Para António Reis, líder do PSD/Graciosa, “estivemos aqui com os decisores de amanhã, que com a sua participação e colaboração social farão a formação cívica que é tão importante para quem decide o futuro das populações”, referiu, alertando para que “sejam políticos responsáveis, de que o mundo inteiro necessita, com respeito e maturidade”.

Já Luís Raposo, presidente da JSD/Açores, realçou a importância destes eventos “de formação e reflexão, com gente de todas as ilhas da Região, que dão oportunidade a todos os alunos de crescer e progredir”.

Em Ano Europeu da Juventude, um dos painéis denominou-se a “Europa nas tuas mãos!”, desafiando os alunos “a participarem no desenho das políticas europeias que terão impacto nas suas vidas”. No decorrer dos trabalhos, a turma da UV 2022 preparou um parecer, com propostas e contributos, que enviou ao eurodeputado do PSD Álvaro Amaro, relator principal do Parlamento Europeu para a Estratégia da UE para as Regiões Ultraperiféricas.

“Estas iniciativas são importantes para aproximar os jovens açorianos ao projeto europeu. São eles que, identificando os problemas com que se deparam, têm maior facilidade em propor soluções”, afirmou aquele dirigente.

“A Universidade de Verão da JSD/Açores é a maior escola de formação política e cívica dos Açores, e estes dias provaram, uma vez mais, o seu valor, através do potencial dos seus alunos, o valor dos nossos convidados e os resultados dos três dias de trabalho”, garantiu Luís Raposo.

Flávio Soares, reitor da UV2022, reforçou tratar-se “do maior evento político para a juventude nos Açores. Uma juventude que diz presente, que participa, que se interessa pela política e que quer fazer parte das novas soluções”.

Dessa forma, dirigiu-se aos alunos, elogiando o facto de “colaborarem com ideias, com visão, com afirmação, tendo em vista também o desenvolvimento harmónico da Região, por conta de uma nova governação, que está a fazer pela mudança”, concluiu.