Vacinação – PSD/Açores pede intervenção ao Presidente da República

0
24
DR
DR

O líder parlamentar do PSD/Açores apelou ao Presidente da República para que intervenha junto do Governo nacional, de forma que seja reforçado o envio para a Região de vacinas contra a COVID-19.

“Como Vossa Excelência bem sabe, vivemos tempos angustiantes, porque incertos, pela pandemia da COVID-19 que persiste em não nos deixar. Os Açores são uma região dispersa e isolada a meio do Atlântico imenso. Somos uma região ultraperiférica com ilhas sem hospital e distante dos grandes centros hospitalares”, afirmou Pedro do Nascimento Cabral, dirigindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa.

O social-democrata falava na Assembleia Legislativa dos Açores, na Horta, durante um encontro do Presidente da República com os líderes dos grupos e representações parlamentares, no âmbito da visita do Chefe de Estado à Região.

“O povo dos Açores necessita que Vossa Excelência exerça a sua magistratura de influência junto do Governo da República, no sentido de garantir um maior número de vacinas destinadas à Região e salvaguardar a vida de muitos açorianos”, disse.

Pedro do Nascimento Cabral apelou igualmente a Marcelo Rebelo de Sousa para interceda junto do Governo da República por causa da falta de apoio da Segurança Social aos pais e encarregados de educação dos Açores “que estão a prestar assistência aos filhos, devido ao encerramento de escolas”.

“As mães e pais açorianos também descontam para a Segurança Social. Não podem ser tratados como portugueses de segunda. Quando as escolas estiveram encerradas no continente não faltou apoio da Segurança Social”, frisou.

O líder parlamentar do PSD/Açores alertou ainda o Chefe de Estado para o incumprimento, por parte do Governo da República, da lei que criou o programa especial de apoio social aos ex-trabalhadores da COFACO da ilha do Pico.

“O Governo da República tinha 60 dias para regulamentar essa lei e proceder ao pagamento dos apoios aos ex-trabalhadores da COFACO. Passaram quase seis meses e nada foi feito”, concluiu.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO