Agricultura nos Açores está hoje melhor preparada para vencer os desafios, afirma João Ponte

0
11
DR

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou que a agricultura nos Açores está hoje melhor preparada para vencer os desafios, fruto dos investimentos promovidos pelos agricultores nas explorações, na aposta na sanidade, na genética, no bem-estar animal e das medidas estratégicas que têm vindo a ser tomadas em articulação com todos os agentes do setor.

“Hoje, a agricultura nos Açores está melhor preparada, melhor infraestruturada para vencer os desafios futuros. O que foi possível construir nesta legislatura e no passado deu um contributo importante para conseguirmos ultrapassar barreiras que temos ainda para vencer, como o preço do leite, os impactos das alterações climáticas, com a seca e os furacões, as práticas comerciais desleais, onde os produtores ocupam uma posição fraca, e as exigências dos consumidores ao nível da qualidade, do bem-estar animal e dos altos padrões ambientais”, salientou João Ponte.

O governante, que falava sexta-feira, em São Miguel, na abertura do VI Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia, considerou que este evento é mais uma oportunidade para evocar o trabalho esforçado e de resiliência dos agricultores, que teve resultados positivos que permitiram fazer um percurso de progresso.

“Na modernização das infraestruturas, só nesta legislatura, foram aprovadas mais de 200 candidaturas para a produção de leite, representando um investimento de 25 milhões de euros, mais 50 jovens entraram no setor do leite”, frisou João Ponte.

Para o Secretário Regional, este concurso evidencia também a importância do setor do leite em São Miguel do ponto de vista económico, já que esta ilha é responsável por 66% da produção leiteira regional, que gera vários milhões de euros de receita, cria emprego, riqueza e dinamiza a economia local.

Para João Ponte, este evento é, simultaneamente, uma oportunidade para projetar o futuro da produção de leite nos Açores, desde logo apostando na redução de custos ao nível da componente dos investimentos que podem e devem ser feitos nas explorações, mas também através de outras medidas que têm vindo a ser tomadas.

O governante lembrou que foram lançados esta semana dois avisos no âmbito do PRORURAL+ para modernização das explorações agrícolas e apoio à entrada de jovens agricultores, com uma dotação global de cinco milhões de euros, permitindo criar mais oportunidades para o crescimento do setor e para seu rejuvenescimento, dando, também por essa via, confiança no futuro.

Também no POSEI para 2020, disse João Ponte, foi dado um passo importante tendo em vista a melhoria da eficiência das explorações leiteiras, que permite aos produtores reduzir o seu efetivo e a sua produção até 20% e manter as ajudas do POSEI.

O Secretário Regional considerou ainda que o concurso organizado pela Associação Agrícola de São Miguel ajuda a reforçar a notoriedade da produção agrícola, cuja necessidade de valorização é imperiosa.

“Nos últimos tempos têm sido dados passos importantes nesse sentido, desde logo com o lançamento de leite pastagem, do leite biológico, o trabalho no âmbito do Centro Açoriano de Leite e Lacticínios (CALL) para certificação da manteiga, a campanha de promoção dos lacticínios no Canadá, através da associação integrada no CALL”, afirmou João Ponte, considerando que “todo este trabalho vai ter obrigatoriamente de dar resultados no futuro próximo”.

Quanto à questão das alterações climáticas, João Ponte afirmou que a Região não recebe lições de ninguém sobre os impactos da agricultura nas alterações climáticas, porque nos Açores se produz “com grandes preocupações ambientais há muito tempo”.

Isso não significa, no entanto, que os Açores não estão alinhados com as preocupações da Europa e da Política Agrícola Comum (PAC), lembrando João Ponte que já foi criado nos Açores um grupo de trabalho, envolvendo parceiros do setor, para definir um plano especifico para a agricultura e florestas, com vista à neutralidade carbónica.

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou ainda vai reunir-se segunda-feira, em Lisboa, com a Ministra da Agricultura, e que um dos assuntos em agenda será a reforma da Política Agrícola Comum.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO