Analisar, reflectir e corrigir…

0
6

Finalizada que está, pelo menos dentro das quatro linhas, a 1.ª edição do Campeonato de Futebol dos Açores (Liga MEO Açores), fora destas tudo indica que não terminou, uma vez que o Santiago reclama o direito ao 7.º posto da classificação final. Entretanto foi o Barreiro que festejou a tão almejada posição que garante desde logo a permanência directa na próxima edição do Campeonato de Futebol dos Açores. Certo é que quem ficar com o 8.º lugar terá de aguardar pelo play-off que o Sp. Ideal irá disputar no Campeonato Nacional de Séniores, e caso os “Leões” da Ribeira Grande consigam a manutenção, só assim o 8.º classificado da Liga MEO Açores garante a manutenção na próxima edição do Campeonato dos Açores de Futebol.

Independentemente da batalha jurídica que o Santiago irá travar para demonstrar e reclamar o direito ao 7.º lugar da classificação geral e sem colocar em causa o regulamento do Campeonato de Futebol dos Açores (que até desconheço) mas ao que tudo indica parece conferir esse 7.º posto ao Barreiro, não pode ser indiferente a todos os “amantes” da modalidade Rei que o Campeonato de Futebol dos Açores termine, para não variar, envolto em polémica, algo que foi quase uma constante sobretudo nas primeiras jornadas da 1.ª Fase. A voz do povo é sábia e, como é do conhecimento geral, um dos ditados populares mais conhecidos afirma que “o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita”!

Como é sabido a organização do Campeonato de Futebol dos Açores, que veio substituir a Série Açores de Futebol em função da extinção da III Divisão Nacional de Futebol, é da exclusividade de uma associação de futebol, sendo que coube à A. F. Angra do Heroísmo ser a cobaia em ano de arranque. 

A próxima edição será da exclusiva responsabilidade organizativa da A. F. da Horta e, será importante, a bem do futebol e desta competição em particular e ainda das próprias Associações de Futebol analisar, reflectir e corrigir tendo por base os muitos e variados casos ocorridos nesta 1.ª edição, para que no futuro não surjam muitas polémicas e aquelas que eventualmente ocorram sejam resolvidas sobretudo de forma mais célere. 

A nível de arbitragens, uma área que suscitou muito alvoroço e contestação nesta 1.ª edição, é de todo conveniente rever esta matéria, mais critério nas nomeações sobretudo para os jogos que envolvam equipas da mesma Associação. 

Em tempos de alguma agitação e descrença em algumas Instituições Desportivas e em quem as dirige, urge convergir no sentido de credibilizar o desporto em particular o desporto Rei.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO