ATSF – o primeiro ano e o futuro

0
242

Há um ano atrás, no dia 9 de Novembro de 2018, foi criada a ATSF – Associação de Turismo Sustentável do Faial, com o principal objectivo de promover e afirmar o Faial como destino de Turismo de Excelência.
Ao longo deste ano temos procurado dinamizar um debate intenso, envolvendo não só os agentes do sector mas também a sociedade como um todo, com o objectivo de identificar exactamente quais as principais oportunidades e desafios para o desenvolvimento do turismo na nossa ilha e qual a estratégia e acções para os superar.

Olhando para os nossos fluxos de visitantes e para a nossa oferta turística, identificámos vários desafios, aproveitando esta oportunidade para destacar 3 deles: a redução da sazonalidade, o aumento da estada média (actualmente 2,4 noites no Faial, a mais baixa dos Açores) e a valorização da oferta turística da ilha. Os três desafios estão relacionados e têm de ser enfrentados de forma estratégica e articulada. Para isso precisamos de criar novas ferramentas e explorar todo o nosso potencial de atracção.
Uma grande lacuna na nossa oferta enquanto destino turístico tem sido a falta de capacidade para valorizar a nossa cidade e o seu património histórico e cultural como atractivo turístico.
A cidade da Horta, a par do Vulcão dos Capelinhos e da Caldeira, é um dos 3 grandes polos de atracção da ilha do Faial. Infelizmente, neste campo, quase tudo está por fazer: desde as fortificações que vêm dos tempos mais remotos da ocupação da ilha até ao vasto património relacionado com a época dos Cabos Submarinos, das travessias transatlânticas com os Clippers, da Horta multicultural do século XIX e XX, acumulamos uma série de histórias, artefactos e edificações que não só não são devidamente aproveitadas e valorizadas, como paulatinamente estão a degradar-se e a desaparecer (e já muito desapareceu, pela acção do tempo e pela destruição sem regras). O património que ainda resiste e o potencial de visitação desta Horta histórica é extraordinário mas por inacção e falta de visão parece estar condenado a desaparecer ou a ficar-se pelos livros.
Do ponto de vista turístico, a recuperação e dinamização deste património e a sua articulação numa narrativa identitária teriam o maior impacto na redução da sazonalidade, no aumento da estada média, na dinamização do núcleo urbano e do comércio tradicional, na valorização do Faial enquanto destino cultural, um importante complemento à vertente do turismo de natureza. E não nos esqueçamos que a história do Faial se cruza frequentemente com a história de alguns dos países de origem daqueles que nos visitam, como os Estados Unidos, Alemanha, Bélgica, Holanda, entre outros.
Um dos projectos que consideramos mais urgente e fundamental é a criação do Museu da História das Comunicações, que poderá abordar temáticas como a história dos cabos submarinos, da aviação transatlântica, da navegação e do comercio internacional. Este é um projecto de envergadura, prometido desde há 10 anos mas sempre adiado. Como consequência, a Trinity House, que seria a casa deste museu, encontra-se hoje interditada por questões de segurança e é mais um exemplo do abandono a que o nosso património tem sido votado. É, portanto, hora de avançar e exigir a sua concretização. Este é um projecto que deve ser encarado com ambição e com um propósito estruturante de dinamizar a cidade, estabelecendo pontes com o exterior.
Da mesma forma como temos hoje um centro de interpretação do Vulcão dos Capelinhos, que é o centro mais visitado dos Açores, tendo recebido em 2017 mais de 40.000 visitantes, consideramos que também a Cidade da Horta necessita de um projecto-âncora, que lhe dê visibilidade e sirva de ponto de partida para a descoberta de roteiros e outros núcleos e marcos existentes na cidade.
Este é um projecto que deve reunir os esforços conjugados da sociedade faialense, quer ao nível institucional, quer ao nível individual, e do Governo Regional. Temos aqui uma importante oportunidade para projectarmos o nosso futuro, colhendo os benefícios de um turismo diferenciado e mais sustentável, enquanto protegemos a nossa história e a nossa identidade.

Horta, 13 de Novembro de 2019

A Direcção da Associação de Turismo Sustentável do Faial

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO