Autárquicas 2013 – João Stattmiller é o candidato do BE à Câmara da Horta

0
25

O independente João Stattmiller, sociólogo de 40 anos, é a aposta do Bloco de Esquerda para a corrida à Câmara Municipal da Horta (CMH). A ele junta-se outra independente na candidatura à Assembleia Municipal: Sílvia Lino, 33 anos, licenciada em engenharia biotecnológica e doutoranda do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores. Os candidatos foram apresentados esta manhã, no miradouro do Monte Carneiro.

Sob o lema “De pessoas para pessoas”, esta candidatura é, apesar da chancela partidária do BE, independente, já que a maioria das pessoas que a integram não tem filiação partidária. À comunicação social, Stattmiller salientou a abertura do partido para acolher esta iniciativa. Quanto às razões que o movem, o candidato destaca a vontade de contribuir para a vida do concelho e, sobretudo, de motivar outros a fazer o mesmo: “sentimos que é preciso reforçar a democracia e a liberdade. Sentimos um certo medo por parte das pessoas; uma certa apatia e descrédito nos processos democráticos. É importante contrariar isso e motivar outras pessoas a fazê-lo”.

Funcionário das Nações Unidas durante vários anos, Stattmiller esteve mais de duas décadas longe do Faial, onde regressou recentemente. Entende por isso que pode trazer uma perspetiva diferente para a ilha.

Quanto à campanha, a candidatura do BE pretende ser diferente do habitual: “o Faial é uma terra cheia de potencial e coisas boas; cheia de gente com capacidade. Esta campanha será feita pela positiva, tentando evitar o habitual bota-abaixo e a crítica destrutiva. Queremos destacar as nossas forças e potencialidades. Não está tudo mal; há muita coisa bem e que faz sentido no Faial. Mas também há coisas que é preciso melhorar”, entende o candidato. Nesse sentido, os desafios passam por reforçar a sociedade civil e lutar contra os clientelismos partidários: “é preciso fazer uma divisão clara entre o Estado e a Administração Pública e os partidos. Temos de despartidarizar essas estruturas e dar espaço a pessoas que não façam parte de máquinas partidárias, para que também possam participar”, refere.

Sobre o longo período de governação socialista na Horta, Stattmiller entende que se nota “um desgaste”: “a democracia, para ser saudável e sã, deve permitir a alternância. Esta é necessária e não devemos ter medo dela, até para não acharmos que só há caminho de um lado. Há muitos caminhos possíveis”, considera.

Numa lista maioritariamente feminina, Dora Gomes surge como número dois na candidatura à CMH. O BE está, no entanto, igualmente focado na corrida à Assembleia Municipal, onde entende que um deputado eleito por esta candidatura pode fazer a diferença. Caso isso aconteça, o partido pretende que a sua representação na Assembleia Municipal se exerça de forma rotativa.

Facilitar a participação dos cidadãos na gestão do município, combater os clientelismos partidários, promover o emprego sustentável e construir uma visão estratégica de futuro para o Faial são algumas das propostas da candidatura bloquista.

 

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO