Castelo Branco Sport Clube assinala 80.º aniversário

0
14

Hoje, 16 de abril, o Castelo Branco Sport Clube (CBSC) assinalou 80 anos de existência. Hoje, o clube continua a ter um papel importante na dinamização desportiva e cultural não apenas da freguesia de Castelo Branco mas de toda a ilha do Faial, mobilizando cerca de 150 atletas. Tribuna das Ilhas esteve à conversa com o presidente da Direção, que falou sobre a vida do clube. Encontrar novos dirigentes e envolver a comunidade nas suas atividades são, para José Almeida, os desafios do futuro.

Foi no final de 1932 que um grupo de cidadãos albicastrenses decidiu unir esforços para criar uma sociedade recreativa na freguesia. Na sequência desta decisão nasceu, já em 1933, a Sociedade Educativa, Recreativa e Desportiva “União Recreio e Desporto”, que assumiria a designação de Castelo Branco Sport Clube. Desde então que a instituição tem estado ao serviço da freguesia de Castelo Branco e da ilha do Faial na Cultura e no Desporto.

Hoje com cerca de 150 atletas de voleibol e atletismo, o CBSC notabilizou-se também em outras modalidades, como o futebol ou o basquetebol. 

De acordo com uma recolha feita pelo atual presidente foi precisamente no futebol que o clube primeiro se destacou, competindo não apenas no Faial mas noutras paragens, com destaque para um encontro na Terceira com o Lusitânia, em junho de 1934.

No entanto, foi no basquetebol que o CBSC mais se notabilizou, sobretudo na década de 40 do século passado, quando foi por várias vezes campeão faialense. 

Atualmente, como já foi referido, é no voleibol e no atletismo que o clube se destaca. Recentemente, no entanto, o CBSC acrescentou uma nova modalidade à sua atividade, com a agregação do grupo de Hip Hop de Lisa Medeiros. Desta forma, o CBSC passa a estar filiado também na Associação Gímnica dos Açores e na Federação Portuguesa de Ginástica. Para o presidente do clube, esta foi uma boa prenda de aniversário: “é uma mais-valia para o clube e uma forma de ajudarmos a promover as atividades deste tipo no Faial”, disse ao Tribuna José Almeida. 

O CBSC mobiliza atletas de toda a ilha, destacando-se a sua atividade nos escalões de formação. Colocar tantos atletas a treinar e a competir não é tarefa fácil e envolve uma logística complicada: “sempre que há provas ou jogos o atraso num provoca automaticamente o atraso noutros”, explica o presidente do clube, que é quem, na maioria das vezes, transporta os atletas de e para os treinos e competições. São muitas horas diárias dedicadas ao clube, sem contrapartidas, o que faz com que os responsáveis por esta instituição tenham de reunir algumas características especiais, cada vez mais difíceis de encontrar: “implica disponibilidade das pessoas e vontade de dar alguma coisa à comunidade. Tem de haver espírito de boa vontade e as pessoas têm de dizer à comunidade onde se inserem que estão presentes”, considera o presidente do CBSC.

Nos últimos anos as equipas do CBSC têm vindo a afirmar-se no panorama desportivo regional, o que, para José Almeida, é motivo de orgulho. Ainda é, no entanto, difícil fazer frente e equipas de ilhas com mais dimensão, onde os níveis competitivos são maiores. No que diz respeito ao voleibol, os atletas do CBSC não têm grandes oportunidades competitivas na ilha. 

A dinamização de “escolinhas” da modalidade tem sido uma aposta do clube, a pensar no futuro. No entanto, numa ilha com 15 mil habitantes e uma grande oferta desportiva, não é fácil cativar as crianças para o voleibol: “o futebol ensombra as restantes modalidades. Todos querem ser Cristianos Ronaldos. Em termos desportivos, até a comunicação social dá mais destaque ao futebol”, entende José Almeida, que considera que este fenómeno é mais visível nos escalões masculinos de formação.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                          Leia a reportagem completa na edição impressa do Tribuna das Ilhas de 19.94.2013 ou subscreva a assinatura digital do seu semanário

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO