Encerramento do DOP descartado pelo reitor da UAç

0
11

Está a ser estudada e analisada uma reestruturação da Universidade dos Açores (UAç).

Ao que Tribuna das Ilhas apurou, sexta-feira, dia 22 de maio, haverá, por vídeo conferência uma reunião entre o Reitor da academia açoriana e o Departamento de Oceanografia e Pescas.

Ao que parece a intenção poderá passar por encerrar a atividade no DOP. Helder Silva não avança com comentários a esta notícia no entanto confirmou ao TI que “na reunião de sexta-feira várias possibilidades vão estar em aberto.”

Confrontado com a hipótese levantada, Helder Silva diz que, caso se venham a concretizar, certamente irá reagir, no entanto “esta é uma decisão que ultrapassa as intenções e competências do DOP. É uma questão do foro de decisão da universidade, ou seja, tomada entre o reitor e o conselho geral da UAç.”

Helder Silva realça ainda o facto da universidade ter nascido tripolar por vontade política, numa altura em que era dependência da Região. Nesta altura esse cenário alterou-se e depende do Estado.

“Dependerá dos órgãos da UAç e da pressão que possa existir por parte do Estado, neste caso do Ministério do Ensino Superior, decidir sobre aquele que será o atual desenho da universidade e a repartição dos seus departamentos”, frisa.

Entretanto, João Luís Gaspar, Reitor da Universidade dos Açores, afirmou nega os rumores sobre o encerramento do Departamento de Oceanografia da Universidade dos Açores.

Ao Tribuna das Ilhas o reitor da academia açoriana diz que “está em cima da mesa um processo de reestruração da UAç no sentido de combater o deficit financeiro que a mesma apresenta. Esta reestruturação já teve início há mais de um ano e permitiu-nos cumprir os objetivos a que nos propusemos… resta-nos reorganizar o nosso plano de recuperação financeiro para podermos levar a bom porto esta casa”.

João Luís Gaspar confirma à nossa redação a realização da reunião de sexta-feira, mas afirma que “encerrar o DOP está fora de questão, temos sim que repensar a nossa política de acção, uma vez que se em 40 anos não conseguimos dotar de recursos aquele departamento por forma a conseguir ministrar uma licenciatura, é preciso ver onde está a falha, se é que ela existe, e onde podemos intervir”.

Referindo-se concretamente ao Curso das Ciências do Mar, Gaspar diz que “foi uma decisão pensada e muito ponderada… numa altura em que se avança com politicas do mar, não avançar com o curso era perder o barco. Então decidimos avançar com o 1.º ciclo do curso em Ponta Delgada e, quiçá, daqui por três anos, teremos condições para avançar para um segundo ciclo na Horta. Esta reestruturação pretende isso mesmo.”

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO