Império das Grotas pode não fazer festa este ano

0
15

Na ilha do Faial existem 37 impérios, 7 dos quais com sede na freguesia da Feteira.

O Império das Grotas, cuja fundação remonta a 1898 corre o risco deste ano não celebrar a festa em louvor do Divino Espírito Santo, com o é hábito no sábado e domingo em honra do Divino.

Os festejos este ano deveriam acontecer a 26 e 27 de Maio, todavia, uma crise directiva poderá inviabilizar, pela primeira vez, a sua concretização.

Hélio Santos é o presidente da Assembleia-geral e disse a este jornal que já foram realizadas duas assembleias-gerais, a última há dois meses, e não apareceu ninguém para assumir a direcção.

De registar que este Império centenário da freguesia da Feteira conta com cerca de 180 irmãos, 60% dos quais, conforme nos referiu Hélio Santos, com idades compreendidas até aos 50 anos, ou seja, “em idade pró-activa”.

Cada mandato é de dois anos e, apesar de Teresa Santos é que ser a presidente, Hélio Santos foi o presidente da Direcção anterior, pelo que, em conjunto com o restante elenco directivo resolveram não continuar.

“Após as duas assembleias-gerais constatou-se a total ausência e desinteresse por parte dos irmãos na vida do nosso império. Visto que a situação se mantém neste impasse a direcção, que terminou o seu mandato de dois anos, decidiu que a partir de 1 de Abril as chaves, coras e respectiva documentação será entregue ao pároco da freguesia” – referiu Hélio Santos.

De acordo com Hélio Santos o Império das Grotas goza de boa saúde financeira, “só não goza de boa saúde directiva, porque os irmãos não aparecem e nós não nos sentimos na obrigação de continuar”.

Confrontado com o facto dos irmãos poderem não estar a par do que se está a passar, Hélio Santos esclarece que para além dos respectivos anúncios na Igreja durante a missa de domingo, também foram distribuídos panfletos por toda a freguesia, pelo que não aparece ninguém porque a vida associativa está assim mesmo, em declínio.

De acordo com os estatutos do Império, esta situação é legítima de suceder.

 

 

 

 

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO