Investimento público de 1,4 ME em infraestruturas agrícolas na Graciosa proporciona melhores condições aos agricultores, afirma João Ponte

0
12
DR/GACS
DR/GACS

O Secretário Regional da Agricultura e Florestas afirmou hoje que o investimento de 1,4 milhões de euros concretizado pelo Governo dos Açores na ilha Graciosa na atual legislatura, em caminhos, abastecimento de água e eletrificações, criou melhores condições de trabalho aos agricultores e contribuiu para o desenvolvimento sustentável do setor.

“Todo o investimento em infraestruturas agrícolas e noutros equipamentos na ilha Graciosa na atual legislatura só fazem sentido pelo que representam em termos de criação de valor, de desenvolvimento do setor agrícola e da economia local”, referiu João Ponte, acrescentando que todo o investimento público realizado contribuiu para modernizar o setor e criar melhores condições aos agricultores.

O governante falava na inauguração das obras de beneficiação do Caminho Agrícola da Fajã, numa extensão de 405 metros, orçadas em quase 153 mil euros, que beneficiam duas dezenas de explorações agrícolas, numa área de 10 hectares.

“Importa destacar que, no atual mandato, o Governo Regional investiu 10 vezes mais em infraestruturas agrícolas na ilha Graciosa do que na legislatura anterior, um indicador muito relevante e que demonstra toda a vontade do Executivo em proporcionar condições que ajudem a reduzir custos de produção e a aumentar a competitividade das explorações agrícolas”, considerou o Secretário Regional da Agricultura.

Para João Ponte, a concretização deste volume de investimentos na Graciosa, em particular, bem como nos Açores, em geral, foi possível devido ao bom aproveitamento dos fundos comunitários, revelando que no programa PRORURAL+ a taxa de compromisso atinge já os 94% e a de execução situa-se nos 77%.

O governante destacou também todo o trabalho de colaboração que existe entre o Governo Regional e as organizações de produtores, desde logo, no que diz respeito à sinalização dos investimentos prioritários em infraestruturas, algo que deve prosseguir no futuro.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO