Marca “Açores” no desporto

0
7

Em plena reta final para o arranque de mais uma época desportiva nas mais variadas modalidades, a questão dos apoios governamentais volta a ser tema de muitas conversas e motivos para muitas divergências. A palavra Açores que muitos atletas envergam na camisola continua a ser entendida por muitos, como sendo o expoente máximo de divulgação/promoção dos Açores… Será que os títulos alcançados por alguns clubes da região em modalidades, como por exemplo, o Voleibol, Basquetebol, Ténis de Mesa e Hóquei em Patins trouxeram o retorno desejado à economia das nossas ilhas, sobretudo às chamadas ilhas da Coesão?

Se a esta dúvida do retorno, focarmos a nossa atenção na constituição dos planteis destas coletividades, deparamo-nos que encontrar um número aceitável de atletas açorianos é muito difícil, para não dizer impossível em alguns casos. Pois bem, esta conjugação de fatores faz transparecer claramente que a promoção da marca Açores por esta via continuará a não ser rentável, e a continuar por este caminho a promoção do atleta açoriano será cada vez mais uma utopia, que infelizmente vão teimando em tapar com a peneira…

Evidentemente que este tema tão atual, controverso e questionável acaba renegando para segundo plano exemplos genuínos da verdadeira capacidade do atleta açoriano. refiro-me concretamente aos atletas que compõem o Clube de Patinagem de Santa Cruz da Lagoa, que ao longo de mais de uma década têm vindo a conseguir êxitos e distinções a nível nacional e internacional, e tudo com “prata da casa”. Aqui sim um exemplo prático e concreto de uma promoção dos Açores a baixo custo, um verdadeiro, (dois em um) promoção da Região e a demonstração cabal que o atleta açoriano tem potencial, não sendo necessário recorrer a atletas continentais e internacionais.

É notório que uma das grandes prioridades do Governo Regional passe pela intensificação da estratégia e da ação de promoção externa dos Açores, para consolidar os mercados emissores atuais e conquistar potenciais mercados. Perante esta politica de promoção, impõe-se terminar em definitivo com o “mito/utopia” de que no desporto o futebol é o grande impulsionador da marca Açores, até porque presentemente as coletividades açorianas envolvidas em competições não vão além do território nacional. O futebol, bem como outras modalidades coletivas, poderá ter um papel de relativa importância na promoção da marca Açores, mas nunca nos módulos atuais. Apostar na realização de mais eventos como o Torneio Internacional de Futebol, o “Pauleta Azores Soccer Cup” será claramente uma forma de garantir a médio/longo prazo o tão desejado retorno pela via do turismo.

Resta-me terminar com um bem-haja a todos os quantos ao longo destes anos têm representado e representam o Clube de Patinagem de Santa Cruz da Lagoa, desde atletas, dirigentes e colaboradores, lançando o repto para que mais coletividades lhes sigam as pegadas.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO