Operação “Bullying é para os Fracos”

0
28

O Comando Regional da Polícia da Segurança Pública dos Açores, promove nas Divisões Policiais, no período de 180700OUT21 a 291900OUT21, a Operação “Bullying é Para Fracos”, através da realização de ações de sensibilização junto das escolas do 1º, 2.º e 3.º ciclos, e do ensino secundário, direcionando as apresentações sobre as temáticas de bullying e autoproteção para alunos, pais, professores e assistentes operacionais destas escolas.

O dia mundial de combate ao bullying assinala-se a 20 de outubro.

O bullying é um anglicismo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.

bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa marcas para o resto da vida na pessoa atingida, sendo a Escola um dos contextos em que o bullying mais se faz sentir, uma vez que se encontram no mesmo espaço muitas crianças, fato este que dificulta a supervisão dos adultos sobre os comportamentos dos jovens e constitui um impedimento para uma intervenção atempada.

Os fenómenos da indisciplina escolar, violência escolar e bullying, têm nos últimos anos vindo a ganhar um espaço crescente no debate público. Independentemente da sua real dimensão e impacto, é inegável que contribuem para o aumentar do sentimento de insegurança entre a comunidade escolar, carecendo de uma especial atenção por parte das Forças de Segurança, devendo constituir-se umas das prioridades a ser seguidas no âmbito da prevenção criminal em meio escolar.

A vítima de bullying pode sofrer este tipo de maus-tratos, durante muito tempo, sem que ninguém perceba o que está a acontecer. Esta forma de violência passa, na maior parte das vezes despercebida aos olhos dos pais, dos professores e da sociedade em geral.

Complementarmente, o bullying em concreto, não se tratando de um fenómeno novo, tem ultimamente assumido contornos diferenciados, não somente pelo recurso às novas tecnologias que promovem uma rápida expansão de imagens e mensagens promotoras de insegurança, mas sobretudo, quando associado às redes sociais, diverge da vertente física da provocação, ameaça, intimidação e vitimização entre alunos, para a virtual, o ciberbullying. Atendendo a um maior distanciamento social motivado pelo combate à pandemia do COVID-19, os comportamentos de cyberbullying podem passar a ter uma maior predominância, pelo que se deve dar uma atenção especial e esta forma de bullying.

O objetivo destas ações consiste em que alunos, pais, professores e assistentes operacionais passem a estar mais atentos a este tipo de violência, bem como compreendam o impacto devastador que o bullying acarreta, podendo comprometer o desenvolvimento saudável da criança/jovem, sendo necessário que todos estejam conscientes e sensibilizados para este tipo de criminalidade e por sua vez mais atentos a eventuais sinais de alerta.

Esta missão será desenvolvida pelas Equipas do Programa Escola Segura (EPES), que desenvolvem ações de sensibilização bem como outras iniciativas consideradas convenientes junto dos diferentes atores da comunidade educativa, atendendo ao tema definido, privilegiando os estabelecimentos de ensino básico do 1º, 2.º e 3.º ciclos, e do ensino secundário.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO