“Os Açores o melhor local para caminhantes que apreciam destinos verdes” afirma o presidente da Eden Network AISBL

0
4
TI

TI

Xavier Lechein, diretor da Agência de desenvolvimento Local de Durbuy, na Bélgica, e presidente da Eden Network AISBL, veio ao Faial participar no trail ‘Triangle Adventure’. Tribuna das Ilhas esteve à conversa com o atleta que revelou que este tipo de evento está envolvido com a comunidade e é uma boa oportunidade para os turistas verem a natureza das ilhas. 

O presidente da Eden Network AISBL aproveitou ainda para conhecer o Parque Natural do Faial vencedor do ano passado do prémio Eden Innovation Prize e à nossa reportagem avançou que o “Faial já serve de exemplo para a vila Kainuu, na Finlândia, que está a considerar a experiência do Faial e a pensar fazer o mesmo”.

Tribuna das Ilhas – Xavier Lechein é Presidente de uma associação Europeia que congrega cerca de 60 destinos de mais de 20 países. Quais são os objetivos desta associação?
Xavier Lechein – O objetivo da nossa associação é continuar a iniciativa de turismo sustentável da Comissão Europeia. Todos os anos, a Comissão Europeia organiza concursos com temas específicos, sendo o deste ano turismo cultural. Os destinos premiados podem escolher juntar-se à associação e receber ajuda para se desenvolverem de forma sustentável, ou não. A Eden Network foi criada em 2012 e está aberta a todos os destinos que queiram fazer algo mais com o prémio. No momento, há mais de 150 destinos classificados pela Comissão Europeia, mas apenas 71 são membros da nossa associação. O Faial é um deles.

TI – O que é para si o desenvolvimento sustentável e como é que o turismo pode contribuir para esse tipo de desenvolvimento?
XL – Desenvolvimento sustentável está relacionado com o ambiente, a economia e a sociedade, é o equilíbrio entre estas três áreas. Tal como o desenvolvimento sustentável, trabalhar com turismo também significa trabalhar com o ambiente, com a economia local e com a população local. A nossa associação é composta por pequenas cidades ou aldeias e nem todas elas são profissionais em turismo. Por isso, queremos guiá-las até ao turismo sustentável, trabalhando, por exemplo, com produtores locais a fim de ajudá-los a conseguir parcerias com restaurantes locais. Desta forma, os destinos estão a criar uma economia local sólida e a satisfazer a população e os turistas.
TI – A Europa, e os Açores em particular, estão a assistir a um crescimento turístico sem precedentes. Que riscos decorrem deste crescimento?
XL – O principal risco é tornar-se superlotado por turistas à semelhança de grandes cidades como Veneza e Barcelona, mas não queremos isso. É importante criar boa publicidade em turismo sustentável que favoreçam determinados destinos. Se alguém viesse para o Faial tentar aumentar a economia, mas ao mesmo tempo poluir o ambiente, essa pessoa não seria bem-vinda pela população. Tem de haver respeito pelo equilíbrio entre os rendimentos e o bem-estar dos habitantes.

TI – Na sua opinião, os Açores ainda são um destino desconhecido na Europa? O que acha que temos de melhor para oferecer?
XL – Não penso que os Açores sejam desconhecidos. A previsão meteorológica menciona muitas vezes o anticiclone dos Açores. Se ouvirmos falar do anticiclone dos Açores, sabemos que teremos bom tempo. Por isso, o nome Açores está associado a algo positivo e é bem conhecido. É só que os europeus pensam, muitas vezes, que os Açores são demasiado longe, logo, preferem ir para Espanha ou para o sul de França.
Contudo, os Açores têm muitos pontos positivos, muitos pontos fortes. Os Açores são o melhor local para caminhantes que apreciam destinos verdes. Todos os trilhos estão sinalizados corretamente e ao andar pelo parque natural, vi muitos lugares nestas três ilhas que são maravilhosos, é um verdadeiro paraíso.

TI – É a sua primeira visita aos Açores e logo com uma presença no trail ‘Triangle Adventure’. Está a gostar da sua visita? Que lhe pareceu a prova e a sua organização?
XL – Sim, mesmo muito. Cá entre nós, antes de cá vir, pensava que os Açores como ilhas vulcânicas que são, eram só pedra, mas acabei por descobrir ilhas tão verdejantes. Corri as três ilhas (Faial, Pico e São Jorge), no trail e foi extraordinário. Os participantes estavam bastantes envolvidos na comunidade local e foram muito bem recebidos pelos residentes e pela associação de desporto local que preparam refeições e outros aspetos necessários para o trail. Não podemos esquecer que este evento foi organizado pela comunidade local e não por uma organização internacional.

TI – Na sua ótica, como é que este tipo de evento se enquadra no desenvolvimento sustentável de um destino?
XL – Este tipo de evento está envolvido com a comunidade e é uma boa oportunidade para os turistas verem a natureza das ilhas. Mais ainda, ajuda a chamar a atenção dos europeus e outros para o destino.

TI – O Parque Natural do Faial recebeu no ano passado um prémio de inovação, o EdenIn novation Prize, reconhecendo a gestão da visitação turística a uma área natural sensível. Qual é a importância deste prémio? Qual o seu objetivo?
XL – Este é um prémio dentro da nossa associação, e devemos ser discretos sobre ele. O seu mais objetivo é ajudar o Faial a ser conhecido dentro da nossa associação. Para tal, juntamento com o nosso parceiro, Europe Best Destination, estamos a ajudar o Faial, e outros destinos, a trabalhar cada vez melhor com as redes sociais, em como usar o Facebook, Instagram, LinkedIn, Google, entre outros.
Este prémio que o Faial recebeu, ajuda a focar um bom exemplo. O Parque Natural do Faial é um bom exemplo de turismo sustentável, mas abrange apenas uma parte da ilha. Devemos continuar a trabalhar para fazer chegar o turismo sustentável a toda a ilha, para que possamos mostrar a outros destinos que é possível fazê-lo.
O Faial já serve de exemplo para a vila Kainuu, na Finlândia, que está a considerar a experiência do Faial e a pensar fazer o mesmo.

TI – Na sua vida profissional está envolvido numa associação de desenvolvimento local. Como promovem o desenvolvimento local em Durbuy?
XL – O meu trabalho como diretor da Agência de Desenvolvimento Local de Durbuy foi criado e é financiado pelo Governo de Wallonia com o intuito de apoiar a economia local. Por exemplo, observámos que os residentes já não frequentavam as lojas locais, que preferiam os grandes centros comerciais e, portanto, criámos uma página no Facebook para todas as lojas locais para que melhorem a sua visibilidade entre a população.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO