Pedrada no Charco IX – Os “Donos” do futebol!

0
10

Parece estar a ganhar contornos preocupantes, a nova realidade que parece não querer dar tréguas não só no futebol de formação regional, bem como no futebol sénior, refiro-me concretamente a alguns treinadores que se julgam “os donos da verdade”. Pois é, para tais indivíduos só os seus métodos, modelos e ideias estão corretos, tudo o resto está errado, e como tal, tudo e todos têm de “venerar” os seus conceitos idealistas como sendo verdades absolutas.

Claro está que no futebol de formação este tipo de conduta – autoritária, inflexível e insensata, não é de longe nem de perto o melhor caminho a seguir para quem lida com miúdos de vários estratos sociais e culturais. Quem desempenha funções de treinador, por mais conhecimentos que possa possuir ao nível da metodologia do treino, a humildade e o discernimento são fundamentais, com intuito de percecionar o leque de atletas que tem nas “suas mãos” e em função desta perceção preparar e orientar o treino da forma mais adequada e integrada possível, para que o mesmo seja acessível a todo o grupo e os objetivos propostos sejam alcançados.

Como é sabido conviver com um “dono da verdade” é uma tarefa muito difícil e desgastante, muitos destes “Donos” do futebol denotam um comportamento rígido diante de opiniões alheias demonstrando uma certa insegurança, por vezes geradora de conflitos pessoais que deveriam ser revistos.

Toda a interação tem dois lados e é isso que a torna tão enriquecedora, como tal pressupõe uma abertura mental para toda a crítica construtiva. A cada um compete ouvir, analisar e refletir, recolhendo os devidos dividendos dessa mesma reflexão. Tal facto auxilia e muito o crescimento pessoal/humano e amplia horizontes.

No entanto os que optam por ficar no pedestal, na busca constante pela admiração, perdem o bom senso, afundam-se em futilidades e esquecem a importância do auto-conhecimento e da sua evolução como ser humano, sendo extremamente grave para quem lida sobretudo com jovens atleta

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO