Pela sua Saúde – Quais os benefícios da soja?

0
8

Comemos muita carne e, em particular, carne vermelha! No momento em que os benefícios de uma alimentação vegetariana – pelo menos um dia por semana – são cada vez mais reconhecidos, a soja aparece como uma proteína de substituição muito interessante.

 

Mas quais são os benefícios

da soja? E qual o risco de se consumir em excesso?

Proteínas e ácidos gordos bons na soja.

A soja – ou soja amarela – é uma fonte de proteínas vegetais muito importantes. Apresenta-se mais frequentemente sob a forma de tofu, de tempeh (soja fermentada), de sumo (frequentemente chamados “leite”), de sobremesas e outros “iogurtes”. A soja amarela pode utilizar-se em alternância com a carne ou com o peixe, uma vez que contém cerca de 38 gramas de proteínas por 100 g. É igualmente um alimento rico em fibras, em vitaminas e “gorduras boas” – com uma grande proporção de ácidos gordos polinsaturados. A carne é mais rica em ácidos gordos saturados, os famosos inimigos da nossa saúde.

 

A soja é, além disso, um aliado do emagrecimento

A soja também contribui para o emagrecimento, mas com a condição de ser consumida ao natural. O tofu é muito fácil de preparar: cortado em lamelas e salteado com pimentos, massa e especiarias constitui a base de uma refeição ligeira, equilibrada e inteiramente vegetariana! Os cremes à base de soja são igualmente uma alternativa interessante às sobremesas lácteas, nomeadamente para as pessoas intolerantes à lactose, que seguem um regime vegetariano ou que, simplesmente, apreciam o seu sabor. Não são necessariamente menos calóricas que os produtos lácteos, mas contêm menos colesterol.

 

E o molho de soja?

É uma das formas de soja que melhor se conhece. Mas consome-se em quantidades tão pequenas que o seu impacto sobre a saúde não é muito importante. Atenção, contudo, que é muito rico em sal!

 

Soja, uma fonte de isoflavonas

A soja contém uma grande quantidade isoflavonas, um fito-estrogénio. Os fito-estrogénios são substâncias cuja estrutura química é muito próxima do estradiol, uma das principais hormonas sexuais femininas. Alguns estudos sugerem que, consequentemente, poderia haver um impacto do consumo de soja sobre o equilíbrio hormonal. No entanto, a afinidade dos fito-estrogénios aos recetores dos fito-estrogénios é de 100 a 1000 vezes menos forte que a das hormonas naturais e de síntese. Esta interação é, sem dúvida, muito fraca e variável de um indivíduo para outro.

 

Soja: nem toda a gente a pode consumir!

O consumo de isoflavonas é desaconselhado aos doentes que sofrem de hipotiroidismo porque podem aumentar as necessidades em hormonas tiroideias. Alguns dados incitam, igualmente, à prudência em pessoas com antecedentes familiares ou pessoais de cancro do seio.

Como qualquer outra proteína, a da soja, pode desencadear alergias. No caso de suspeita deve consultar um médico alergologista e eliminar essa proteína da dieta.

 

E as crianças?

O emprego de fórmulas com soja (o leite de soja) pode ser administrado às crianças com mais de 6 meses que apresentem uma alergia ao leita de vaca aos 6-12 meses.

Nota: o que habitualmente se chama de rebentos de soja, esses pequenos rebentos brancos que se consomem como legumes nos pratos asiáticos, não têm nada a ver com a soja. Eles vêm de uma outra planta, o feijão mungo.

 

Fonte de informação: Agência francesa de segurança alimentar e Isabelle Eustache

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO