The New York Times – Açores um dos melhores sítios a visitar em 2019

0
41
DR

DR

O jornal The New York Times classifica os Açores como o nono melhor destino para visitar no ano de 2019, definindo-os como “as Caraíbas no meio do Atlântico”.

O arquipélago dos Açores está no top 10 dos lugares indispensáveis a visitar em 2019, diz o The New York Times, destacando a sua “exuberância verde mítica”, as “crateras vulcânicas gigantescas”, as fontes termas naturais, os vulcões, a abundância de hortênsias azuis e o facto de ser o único local onde se cultiva café na Europa.
“As Caraíbas no meio do Atlântico”, esta é a expressão utilizada para descrever os Açores no artigo da seção de viagens do jornal norte-americano, posicionando-os em 9º lugar no ranking que incluí destinos como o Japão, a Dinamarca, o Panamá ou os Estados Unidos. As paisagens e peculiaridades açorianas, que incluem locais que são património mundial da Unesco, tais como o Centro Histórico de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, e a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, cativam os viajantes, bem como a proximidade com os Estados Unidos, a cerca de quatro horas de avião, diz o referido jornal.
A liderar o ranking de sítios a visitar no ano de 2019 encontra-se Porto Rico, que está a voltar a erguer-se depois de ter sido atingido pelo Furacão Maria, há cerca de um ano e meio. Segue-se Hampi, na Índia, uma antiga cidade onde se pode ver como evoluem as civilizações, num complexo arqueológico que está a chamar a atenção de organizações e agências de viagens.
Santa Bárbara, na Califórnia, completa o pódio. Esta é uma cidade para aqueles que gostam de descobrir comidas novas, onde estão a surgir vários restaurantes trendy e locais especializados na degustação de vinho.
Para a escolha dos 52 melhores destinos do mundo, a publicação americana enviou pela primeira vez um jornalista em viagem pelo globo durante um ano. Em 2018, o sortudo foi Jada Yuan. Este ano o escolhido foi Sebastian Modak, filho de pai indiano e mãe colombiana, um dos finalistas para 2018.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO