CCIH quer promover o comércio tradicional no Natal

0
7

O Natal é, para além da festa da família, um momento em que, manda a tradição, se troquem presentes com os familiares e amigos.

O tempo é de crise e, de acordo com contactos que estabelecemos com a população, 6 em cada dez pessoas vai reduzir para metade as verbas destinadas a prendas de Natal quando comparado com o ano passado. Também muitas das pessoas com quem contactámos vão optar por fazer as suas prendas, isto é, vão formar cabazes com bolos, bolachas, chocolates e compotas para oferecer.

Entretanto a Câmara do Comércio e Indústria da Horta – CCIH –  está a preparar uma série de eventos e iniciativas para ajudar na promoção do comércio tradicional para esta época de Natal que é, conforme se sabe, uma época de um maior afluxo de vendas.

Em primeiro lugar, e conforme nos referiu Humberto Goulart, o presidente da CCIH, estão a ser feitos contactos porta-a-porta com os empresários, no sentido de apresentar e propor uma adesão à Campanha do Comércio Tradicional “Ofereça Açores”.

Como novidade, a campanha deste ano, que se inicia a 1 de Dezembro, contará com sorteios semanais de 40 senhas/vales de compras no valor de 25 euros que poderão ser trocadas no comércio aderente, ao invés do mega sorteio que era hábito realizar-se em Janeiro.

Em segundo lugar, a CCIH propôs aos empresários durante esta sua visita, uma alteração do horário de funcionamento das lojas do comércio tradicional, para que passem a abrir às 10h00 e a encerrar às 19h00 e para que estejam abertas também ao sábado à tarde. Esta medida, no entender de Humberto Goulart, “permitirá que os clientes possam ter mais tempo para as suas compras após aquele que é o seu horário de trabalho”.

Para além destas iniciativas, a CCIH projectou um calendário com vários eventos a decorrerem durante o mês de Dezembro.

Assim, a partir do dia 1, vai ser montada uma megafonia que transmitirá músicas alusivas a esta quadra pelas ruas da cidade bem como frases alusivas ao comércio tradicional e pequenas histórias/contos de Natal criadas e contadas por crianças e jovens.  Vai ainda haver a projecção de imagens na parede da Biblioteca Pública. Esta projecção, para além da publicidade às empresas aderentes, vai ainda projectar imagens de natal.

Fora de cada uma das lojas aderentes haverá uma carpete vermelha com um foco de luz, e, a CCIH disponibiliza uma equipa, liderada por Guido Simas, que dará consultadoria no sentido de melhor poder aconselhar os empresários com as decorações das suas montras.

Agendado está ainda o tradicional Dia das Montras com o concurso que, este ano, conta com a novidade de, ao longo das ruas da cidade, ter montras vivas.

No dia 15 de Dezembro vai realizar-se um peddy-papper com o objectivo de levar miúdos e graúdos a percorrer todo o comércio tradicional de forma pedagógica e divertida.

Para as crianças vai ainda ser montado um espaço infantil onde os pais podem deixar os filhos enquanto fazem as suas compras no comércio tradicional.

Paralelamente a isso, aos sábados, será montado um Mercado de Natal onde serão concentrados vários lojistas.

Este mercado, no dia 1, a funcionar no Largo Duque D’Ávila e Bolama vai ter desde as árvores de natal naturais para ceder à população, às luzes, bolas, tecidos, arranjos, entre outros.

No dia 15 o mercado será dedicado aos mais pequenos, com a comercialização de produtos para crianças.

O maior objectivo de todo este esforço que a CCIH está a fazer, num contexto de crise é, conforme explicou Humberto Goulart, “criar um espaço para que todos os lojistas possam escoar os seus produtos alusivos à época natalícia. Pretendemos ainda levar o consumidor a uma compra consciente e cuidada.”




O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO