EDA: Projeto pioneiro nos Açores injeta energia na rede nas horas de maior consumo a partir de baterias de veículos elétricos

0
52
blank
DR/EDA

EDA

Teste à tecnologia Vehicle-to-Grid (V2G) permitiu que 10 veículos elétricos injetassem mais de 100MWh de eletricidade na rede durante as horas em que a energia é mais cara.

O Projeto piloto que decorreu na ilha de São Miguel conciliou 10 entidades durante as 90 semanas de operação, permitindo testar uma tecnologia inovadora e que pode revolucionar a forma como pensamos a mobilidade e a descentralização de fluxos de energia.

Durante as 90 semanas do projeto V2G Açores, as baterias de uma frota de 10 viaturas elétricas permitiram injetar na rede elétrica da ilha de São Miguel, nos Açores, energia suficiente para alimentar diariamente 32 residências açorianas. Este foi um dos resultados mais visíveis do projeto piloto que testou a inovadora tecnologia Vehicle-to-Grid (V2G), que permite que os veículos elétricos deixem de ser apenas consumidores de eletricidade e possam também fornecer energia à rede elétrica quando estão estacionados.

A tecnologia V2G permite otimizar a rentabilidade de uma viatura recorrendo aos longos
períodos que passa estacionada, (90% do tempo), e foi desenvolvida com o objetivo de
transformar os veículos elétricos em fontes de energia – e de receita – quando não estão em movimento. Com uma lógica descentralizada de fluxos bidirecionais, a tecnologia V2G permite que um carro elétrico carregue a sua bateria quando o preço da energia elétrica é mais barato e que descarregue a energia dessa mesma bateria para a rede elétrica ou para autoconsumo, quando o preço da energia é mais caro, sempre sem comprometer a principal funcionalidade de um carro que é a mobilidade.

O projeto piloto resultado de um consórcio liderado pela Galp em parceria com a EDA –
Electricidade dos Açores e a Nissan, iniciou-se em março de 2020 nas instalações da elétrica açoriana na ilha de São Miguel. Juntaram-se ainda ao projeto diversos provedores de serviços e parceiros estratégicos, nomeadamente a Nuvve, o INESC-TEC, a DGEG, a ERSE e o Governo dos Açores, através da Direção Regional de Energia. Foi utilizada uma frota de 10 veículos elétricos da EDA que, somando um total de 43 mil horas de operação da tecnologia V2G, permitiu a injeção de mais de 100 MWh na rede elétrica e evitar a emissão de 15,2 toneladas de CO2 para a atmosfera.

Tendo também como objetivo reunir informação e aumentar o know-how para a criação de
um enquadramento legal/regulatório que permita passar de uma fase piloto da tecnologia
V2G para uma fase de mercado – abrindo assim portas a novos modelos de negócio e novas abordagens para o mercado elétrico nacional –, o projeto desenvolvido nos Açores testou várias aplicações distintas desta tecnologia.

A poupança tarifária “Behind-the-Meter”, por exemplo, permitiu identificar que por cada
veículo serão possíveis reduções até 50€ mensais na fatura da eletricidade, através do
carregamento em horas de super vazio, quando a eletricidade é mais barata, e fornecimento dessa energia em horas de ponta (eletricidade mais cara). A transferência de consumos para períodos de super vazio também procurou ajudar a integrar mais produção renovável na rede. Tendo em conta que na ilha de São Miguel nos períodos noturnos a necessidade de fazer curtailment de eólicas – reduzir a produção de energia eólica para se ajustar à procura de energia – o carregamento dos veículos entre as 2h e as 5h da manhã visou utilizar essa energia, que não seria aproveitada, para recarregar as baterias dos veículos.

De referir ainda que as medições do estado de saúde da bateria (State of Health – SoH)
permitiram quantificar o desgaste que a tecnologia V2G provoca, não se tendo verificado
grandes diferenças do SoH das baterias dos veículos utilizados no projeto em comparação com viaturas com quilometragem similar que nunca realizaram V2G.

Com este projeto realizado nos Açores é dada uma nova demonstração de inovação e
pioneirismo na procura de soluções que robusteçam o caminho da descarbonização da
economia e da sociedade, reforçando o foco na sustentabilidade dos seus modelos de negócio e o seu compromisso de regenerar o futuro.