Aeroporto e Observatório

0
9
TI

Mais precisamente o prolongamento da Pista do Aeroporto, a maior aspiração dos faialenses dos últimos anos, e o Observatório do Atlântico com sede na Horta, tão inesperado que nem deu tempo para ser desejado, mas que nos deu natural agrado.

Agora que os dois Diplomas estarão em discussão na Assembleia da República, há que reunir esforços, acabando com estultas quezílias partidárias, já que estão em causa o Aeroporto da Horta e o Observatório do Atlântico.
É também o momento de os Deputados regionais informarem devidamente os colegas dos respectivos Partidos em São Bento, dos reais efeitos que a aprovação dos dois Diplomas em apreço têm para a Economia da Ilha açoriana do Faial.
Quanto ao Observatório do Atlântico, seu nome é mais que suficiente para também se aquilatar o indiscutível efeito na Economia açoriana, particularmente na Faialense e de repercussão nacional e internacional, já que ligada ao mar.
Não será assim alheia a magnifica Baia, das mais belas do mundo.
Segundo o ilustre faialense Rui Meneses, Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia “já existem identificadas várias fontes potenciais de financiamento, incluindo dois milhões de euros dos fundos EEA Grants tendo também informado que “o Observatório do Atlântico irá funcionar em rede, envolvendo várias entidades de referência nacionais e estrangeiras”.
Sobre o Aeroporto, as duas grandiosas manifestações populares frente ao Areópago açórico sedeado na Horta, quiçá as únicas em tempo de Autonomia, foram evidente testemunho à justeza da pretensão referente ao aumento da Pista.
Aliás, bem vincada foi a mancheia de artigos na Imprensa, a bater na dura tecla que é a deficiente acessibilidade dos transportes respeitante à Ilha, em especial, o aéreo.
Tem sido mesmo o calcanhar de Aquiles com visíveis prejuízos no desenvolvimento da Economia da Ilha.
E tudo devido, em nossa opinião, à teimosia do líder da Governança socialista.

Ainda o Adro
Na sua apreciada coluna “Reflexões Crónicas”, Tiago Simões Silva, na edição de 13 de Outubro findo do “Tribuna”, refere-se a reportagem de televisão francesa sobre os Flamengos no Faial, informando que, de Paris, acompanhou uma equipa da dita estação.
E, durante dois dias, fez visitas pela Ilha.
Um dos principais elementos de recolha eram os brasões flamengos e alemães existentes na igreja das Angústias, precisou e adiantou:
“Quando lá chegámos… encontrámos o adro já destruído e sem calçada!”
Um dilema, desabafou: “estou com pessoas que vieram de Paris ver os vestígios da nossa identidade, como é que lhe explico que a nossa identidade foi apagada?… limitei-me a dizer que era uma iniciativa do município e depois ouvi os comentários dos nossos visitantes que vinham com fotografias da igreja e entusiasmados em ver o adro pessoalmente e ficaram chocados com o que viram!”
Afinal, um dilema que não se pôs ao presidente da Câmara e aos autarcas que disseram “àmen” à Frente do Mar, não ligando a abjectos arranjos, como o adro da Igreja das Angústias que irá dar a volta ao mundo, numa altura em que o Turismo é esperança dos Faialense!

 

Exageros politiqueiros
Álvaro Cunhal, Mário Soares, Sá Carneiro, Amaro da Costa foram os políticos mais falados após o 25 de Abril.
Nos Açores, Mota Amaral terá tido também idêntica fama.
E se Mário Soares é tido por muitos portugueses como “Pai” da democracia, a Mota Amaral é dado igual epíteto, mas da Autonomia.
Aliás, um claro exagero nos dois casos, nada tendo com as loas recebidas.
Quanto ao ex-presidente do PSD, foi de pé ovacionado no 23º. Congresso do Partido, em Vila Franca do Campo, primeira Capital de São Miguel, de consagração a Alexandre Gaudêncio, novo e prometedor líder dos “laranjas” na Região.

Q B
Em oportuno “Editorial”, o Director do “Tribuna”, alerta para o facto do Município da Horta ainda não ter iniciado o Passeio pedonal de Porto Pim, previsto para 2017!
Ouso, porém, concordando com a manifestada estranheza, lembrar que nas últimas autárquicas, os meus patrícios residentes já deram esperançoso sinal de que as coisas estão a mudar.
Pelo sim e pelo não, resta-nos esperar pelas Regionais, já à vista, para vermos se a paciência acabou de vez. 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO